Um dia após ser hostilizada por torcedores na Arena Corinthians, na abertura da Copa do Mundo, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (13) que não irá se deixar “abater” por agressões verbais. Torcedores que acompanhavam o jogo entre Brasil e Croácia, em São Paulo, vaiaram e xingaram a petista e dirigentes da Fifa em vários momentos da partida.

– Eu não vou me deixar perturbar por agressões verbais. Não vou me deixar atemorizar por xingamentos que não podem ser sequer escutados pelas crianças e pelas famílias – disse Dilma durante cerimônia de inauguração da primeira etapa do BRT (corredor de ônibus expresso) do Distrito Federal, sem citar diretamente o episódio do estádio paulista.

– Na minha vida, enfrentei situações que chegaram ao limite físico. [Durante a ditadura militar] eu suportei não foram agressões verbais, foram agressões físicas. Suportei agressões físicas que são quase insuportáveis. E nada me tirou do meu rumo, nada me tirou do meus compromissos nem do caminho que tracei para mim mesma. Não serão xingamentos que vão me intimidar e atemorizar. Eu não vou me abater por isso – complementou a chefe do Executivo.

Os xingamentos contra a presidente da República no jogo de estreia da Copa foram ouvidos em dois momentos antes da partida: após a chegada de Dilma ao estádio e após a execução do hino nacional, já a poucos minutos do início do jogo. No segundo tempo, ela foi xingada mais duas vezes.

O vídeo acima mostra os gritos contra a presidente após a execução do hino. Houve também xingamentos contra a Fifa. Os gritos com palavrões começaram na área VIP e se espalharam por outras partes das arquibancadas da Arena Corinthians.<b>

Copa das Confederações

Justamente para evitar vaias, Dilma e o presidente da Fifa, Joseph Blatter, abriram mão de discursas durante a cerimônia de abertura do evento esportivo. No ano passado, na estreia da Copa das Confederações, a presidente foi vaiada em rápida aparição no Estádio Nacional Mané Garrincha antes da partida entre Brasil e Japão.

Na ocasião, a presença dela foi anunciada pelo sistema de som logo depois que os jogadores das duas seleções entraram em campo. Ao lado dela, Blatter também foi alvo das manifestações da torcida.

Ao longo de seu discurso, em 2013, o dirigente da Fifa cobrou respeito do público à chefe do Executivo federal. “Amigos do futebol brasileiro, onde estão o respeito e o fair-play, por favor?”, enfatizou Blatter na ocasião.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.