Recuperar o cinturão dos pesos-galos do UFC já seria motivação o suficiente para Renan Barão treinar como nunca para a revanche contra TJ Dillashaw, marcada para 30 de agosto no evento principal do UFC 177, no próximo dia 30 de agosto, sem Sacramento (EUA). Todavia, uma brincadeira feita por membros da equipe de Dillashaw, o Team Alpha Male, ajudou a levar o treino de Barão um nível além.

Na semana seguinte após a surpreendente vitória de Dillashaw sobre o brasileiro no UFC 173, em maio, a conta da equipe no Instagram publicou uma foto de uma lista de inscritos para um seminário do treinador de muay thai da Alpha Male, Duane Ludwig, creditado como maestro da estratégia do novo campeão. Entre os nomes na lista, foi escrito “Renan Barão”, numa insinuação de que o potiguar recebeu uma “aula” no octógono. O ex-campeão admitiu que a brincadeira o incomodou.

Leia também:  Antigo Luthero vira cult e ganha lembrança especial do torcedor

– (Isso) Me motiva a treinar mais. Sou um cara completamente profissional. Já lutei com o chefe da Alpha Male duas vezes, o (Urijah) Faber, e saí com a vitória, e nem por causa disso fui fazer brincadeiras ou gracinhas. Mas é isso, cada um tem sua cabeça, pensa o que quer. Eu estou treinando, focado 100%, e espero voltar com o que é meu em breve – declarou Barão em entrevista coletiva no Rio de Janeiro na quarta-feira.

O currículo invejável do potiguar garantiu uma revanche imediata contra Dillashaw. A derrota frente ao americano foi a primeira de Barão desde sua luta de estreia, em 2005, e ele venceu mais de 30 combates entre os dois reveses, incluindo quatro vitórias em lutas valendo cinturão no UFC.

Leia também:  Academia é destaque em competição em Minas Gerais

Dillashaw, todavia, não gostou muito do casamento de luta e afirmou publicamente que acreditava que outro brasileiro, Raphael Assunção, merecia o confronto antes de Barão – Assunção era o desafiante número 1 ao cinturão e deveria ter lutado no UFC 173, mas deu lugar a Dillashaw, a quem já venceu, por causa de lesão. O potiguar, todavia, deu de ombros para a opinião do atual campeão.

– O TJ pode falar o que quiser, mas não é ele quem decide, é o UFC. Se o UFC me deu essa oportunidade de lutar pelo cinturão, estou aí, firme, forte e amarradão. O TJ está totalmente errado no que está falando – rebateu.

Barão também rejeitou os pedidos de Urijah Faber por uma trilogia com ele. O “Garoto da Califórnia”, líder da equipe de Dillashaw, perdeu para o brasileiro duas vezes, a mais recente em fevereiro. Para Faber, os dois têm “assuntos inacabados”, devido ao polêmico encerramento da última luta, em que o árbitro Herb Dean decretou nocaute técnico apesar de o americano sinalizar que estava vivo no combate.

Leia também:  União faz neste sábado primeiro jogo da final do sub-19

– Acho que não tenho nada com o Faber. Se ele tivesse o cinturão, aí sim eu lutaria com ele, mas ele não tem o cinturão, então não tenho interesse nenhum em lutar com ele – disparou Barão

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.