O prefeito afastado de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), que assumiu a coordenação geral da campanha do candidato ao governo e senador não licenciado, Pedro Taques (PDT) declarou que na campanha do seu candidato só há amadores, “Acredito que a nossa falta de bagagem e picardia política nos colocou em situações de conflito. Foi por falta de experiência e conhecimento”. Com a afirmação o prefeito jogou mais pimenta no caldeirão em ebulição da coligação “Coragem e Atitude pra Mudar”, pois indiretamente ele chamou quem coordenava a campanha, até então, de desorganizados e ineficientes.

Vale lembrar que os nomes como da deputada estadual Luciene Bezerra (PSB), do senador Jayme Campos (DEM), Leonardo Oliveira, que é vereador em Cuiabá e sobrinho do ex-governador Dante de Oliveira (PTB), do ex-deputado estadual Maksuês Leite (PTB) e do deputado estadual Antônio Azambuja (PP) que segundo alguns comentários na capital mato-grossense seria o primeiro nome de maior expressão do Partido Progressista a puxar a fila de abandono a Taques, acabaram abandonando o barco por causa da “inexperiência e falta de bagagem política”.

Leia também:  Medeiros deve cancelar nota em restaurante de luxo

Outro fato curioso da declaração de Pivetta é que o coordenador que o sucedeu era o ex-prefeito rondonopolitano que tem o maior recall eleitoral para a disputa de 2016 da prefeitura de Rondonópolis, Adilton Sachetti (PSB). O socialista apesar de não estar exercendo mandato tem larga experiência em campanhas e na administração pública.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.