Nesta sexta-feira (1º), a presidenta da República, Dilma Rousseff, recebeu o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, no Palácio do Planalto, em Brasília, para a cerimônia de assinatura de 9 acordos de cooperação internacional. Os dois países firmaram parceria para facilitar investimentos de pequenas e médias empresas que, somados, devem aportar R$ 700 milhões para construção de oito cascos de navios de petróleo e projetos agrícolas.

Em discurso de aproximadamente 10 minutos, a presidenta saudou Shinzo Abe, “um ilustre amigo”, e a recíproca do primeiro-ministro japonês para “fortalecer a cooperação bilateral nos mais diversos campos.” Dilma destacou os investimentos da indústria automotiva japonesa no mercado nacional e enalteceu a parceria para desenvolver a indústria naval. Segundo a presidenta, o acordo “dará novo impulso a cooperação bilateral nesse setor e consolida presença japonesa na exitosa experiência brasileira na reconstrução da nossa indústria naval.”

Leia também:  Receita abre consulta ao 6º lote de restituição nesta quarta-feira

“O acordo entre Petrobras, Agência Nexi e Mizou vai permitir construção de novas plataformas para petróleo em alto mar. Promissores investimentos entre Petrobras, para cooperação no estudo de exploração de hidratos de metano, fonte não convencional de gás natural.”

Ciência Sem Fronteiras

Os acordos assinados hoje também incluem cooperação na área ambiental relacionadas aos desastres naturais e trocas de informações de ciências do mar, educação e saúde. Durante o discurso, Dilma declarou que os dois países decidiram pela ampliação do número de estudantes no Japão pelo Ciência sem Fronteiras e para a ampliação da oferta de estágios para os bolsistas.

Brasil e Japão também abordaram o papel da Organização das Nações Unidas (ONU) na resolução de conflitos regionais, citando, textualmente, o conflito do Oriente Médio e do leste da Ásia. A visita oficial também pretende estreitar as relações entre o Brasil e o país asiático. Hoje, o Japão é o 2º maior parceiro comercial do Brasil na Ásia e o 6º no mundo.

Leia também:  Exportação de soja registra queda, mas volume se mantém estável

O primeiro-ministro japonês deve seguir para São Paulo, onde irá se encontrar no sábado (2) com a comunidade nipô-brasileira e empresários locais. As informações são do Portal Brasil.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.