O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso deferiu nesta terça-feira (05.08), por unanimidade, os registros de candidaturas de Pedro Taques e Carlos Fávaro, candidatos a governador e vice-governador, respectivamente, da coligação Coragem e Atitude Pra Mudar.

Antes de deferir as candidaturas, o tribunal já havia julgado improcedentes os pedidos de impugnações formulados contra Taques pelas coligações de outros dois candidatos ao governo. O tribunal também já havia rejeitado a impugnação apresentada por uma coligação contra o candidato a vice-governador Carlos Fávaro.

O Ministério Público Eleitoral não apresentou pedido de impugnação contra a coligação de Taques. Apenas coligações de candidatos adversários ao pedetista fizeram contestações, que foram negadas pelo TRE.

O relator da ação, juiz Agamenon Alcântara Moreno Júnior, explicou que Carlos Fávaro não precisaria ter se desligado da presidência da Aprojosa, pois se trata de uma entidade de classe sem fins lucrativos e que não recebe recursos do poder público.  Uma coligação adversária pediu a rejeição da candidatura de Fávaro alegando que ele se desligou do cargo da Aprosoja fora do prazo estipulado no calendário eleitoral.

Leia também:  Assembleia realiza audiência pública para debater novo prédio da Politec

Quanto ao registro de Pedro Taques, os argumentos apresentados pelas coligações impugnantes alegavam a nulidade da convenção partidária do PDT por irregularidades no evento. No entanto, a Justiça Eleitoral rejeitou o pedido de impugnação, deixando o candidato apto para concorrer à eleição. O relator informou que as alegações eram as mesmas já tratadas em outra ação e que foi rejeitada.

O coordenador jurídico da Coligação Coragem e Atitude Pra Mudar, Paulo Taques, afirmou que a argumentação dos adversários políticos eram frágeis e que, devido a legalidade do processo de registro de Taques e Fávaro, nunca teve dúvidas sobre a manutenção das candidaturas. “O senador Pedro Taques e seu vice continuam a campanha eleitoral. Nunca tivemos preocupação com o registro, pois eles são ficha limpa e o processo de escolha dos nomes por seus partidos transcorreu dentro da legalidade”, disse o advogado.

Leia também:  Aécio é afastado do senado e proibido de sair de casa durante a noite
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.