Foi publicada no Diário Oficial a sanção da lei complementar que “universaliza”, a partir de 2015, o acesso ao Simples Nacional. O programa unifica o pagamento de oito tributos cobrados pela União, estados e municípios das micro e pequenas empresas. Com a publicação, a lei entrou em vigor na última sexta-feira (8), mas as mudanças passam a valer somente em janeiro de 2015.

Com a universalização ao Simples Nacional, que foi aprovada pelo Senado Federal, por unanimidade, em julho deste ano, mais de 140 atividades, que não estão atualmente contempladas, poderão aderir a esse modelo de tributação no próximo ano. O critério geral para aderir ao Simples passará a ser o faturamento das empresas, que pode chegar a até R$ 3,6 milhões por ano.

Leia também:  Cursinho Força e Honra oferece aos alunos palestra com Paulino Yoshida

O presidente da ACIR, Luiz Fernando Homem de Carvalho, o Luizão, comemorou a sanção da nova lei, especialmente por conta da retirada da substituição tributária, que exige o pagamento dos impostos antes da mercadoria circular no mercado. Luizão lembrou que o empenho do ministro Guilherme Afif Domingos, que já foi presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil, foi fundamental para que o governo federal entendesse a necessidade e aprovasse essas mudanças.

Pelo novo formato do programa, que concentra atualmente 27% do Produto Interno Bruto (PIB), 52% dos empregos formais e mais de 40% da massa salarial do país, passarão a ter direito a aderir empresas jornalísticas, consultórios médicos e odontológicos, escritórios de advocacia, corretores de imóveis e de seguros e fisioterapeutas, entre outros. Só não poderão participar do regime de tributação empresas produtoras de bebidas alcoólicas e de tabaco.

Leia também:  PM apreende arma de fogo e ácido bórico na Vila Olinda

A ampliação do Simples Nacional deve alcançar mais de 450 mil empreendimentos, segundo estimativa do governo federal. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Simples pode gerar uma economia de até 40% no pagamento de tributos para as empresas.

“Para ser do Simples, a empresa passa a ser vista pelo porte, e não pela atividade. Aumenta o potencial de criação e formalização de empresas. Estamos buscando, na simplicidade, a eficiência. Hoje somos nove milhões de unidades de negócios [no Simples]. Se cada um puder gerar mais um empreguinho, são mais nove milhões de empregos”, disse o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos.

Leia também:  UFMT abre inscrições do 1º vestibular para estudantes quilombolas

Outra medida que pode acontecer em breve é o aumento do valor do teto do faturamento dos microempreendedores individuais, atualmente em R$ 60 mil por ano.

Desde a criação do Simples Nacional, em 2007, cerca de nove milhões de empresas já aderiram ao sistema unificado de tributação, sendo 4,13 milhões de microempreendedores individuais, e pagaram, até junho deste ano, mais de R$ 267 bilhões em contribuições para os cofres públicos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.