Bancários recusaram nesta sexta-feira (19) proposta de reajuste salarial de 7% apresentada pelos bancos e acenaram com possibilidade de greve por tempo indeterminado a partir do próximo dia 30.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), afirmou, em comunicado à imprensa, que a oferta apresentada pela Federação Nacional de Bancos (Fenaban) é “insuficiente” e que aprovou calendário de mobilização com assembleias de trabalhadores marcadas para os dias 25 e 29 para decidir sobre a greve no país.

Segundo a entidade, o índice de 7% representa um reajuste real de 0,61 por cento. A reivindicação dos bancários é aumento de 12,5 por cento.

Por outro lado, a Fenaban afirmou que “a proposta apresentada viabiliza uma negociação célere para o fechamento de um acordo”, segundo comentário do diretor de relações do trabalho da entidade, Magnus Ribas Apostólico, em comunicado divulgado nesta sexta-feira.

Leia também:  Mulher fica em estado de choque após sofrer assédio sexual dentro de ônibus coletivo

Os trabalhadores do setor promoveram uma greve de 23 dias no ano passado, que foi encerrada após os bancos oferecerem reajuste de 8 por cento, com ganho real de 1,82 por cento. A duração da greve na época levou a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) pedir um acordo para o fim da paralisação, temendo perdas de até 30 por cento nas vendas do varejo do início de outubro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.