Pelo menos 58 pessoas morreram nos bombardeios liderados pelos Estados Unidos contra os jihadistas do Estado Islâmico na Síria, informou o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, Rami Abdel Rahman. Segundo ele, 50 delas eram combatentes da Frente Al Nosra, o ramo sírio da Al Qaeda, mortos num ataque com mísseis contra uma das suas bases em Alepo, no Norte do país.

Os outros mortos eram civis, entre os quais duas crianças e uma mulher, vítimas de um bombardeio da coligação internacional contra a região de Kafr Darian, na fronteira das províncias sírias de Alepo e de Idleb.

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira (22) o início da ofensiva internacional contra o Estado Islâmico na Síria, sem mencionar a Frente Al Nosra, mas, ontem (23), em comunicado, o Pentágono admitiu ter atacado também bases de um grupo ligado à Frente Al Nosra a Oeste de Alepo.

Leia também:  Alemão faz chamada alarmante para polícia ao confundir abobrinha com bomba

O texto informa que aviões norte-americanos atacaram um refúgio do grupo Khorassan esperando ter “impedido a preparação de ataques contra interesses ocidentais” por parte de um grupo formado por “aguerridos veteranos” da Al Qaeda que encontrou refúgio na Síria, “onde pode preparar tranquilamente ataques ou atentados, construir e testar engenhos explosivos e recrutar ocidentais para lançarem esses ataques”.

“No total, oito ataques visaram campos de treino, uma instalação de produção de explosivos e munições, um edifício de comunicações e instalações de comando”, informou o Pentágono no comunicado.

Abdel Rahman afirmou que, além das posições da Frente Al Nosra, aviões internacionais alcançaram as bases do Estado Islâmico nas províncias de Raqqa, Deir al Zur, Al Hasaka e Alepo.

Leia também:  Criança é encontrada com vida em escombros de escola após 2 dias de terremoto

O observatório, que recolhe informação com uma rede de militantes da oposição e socorristas no terreno, afirmou, por outro lado, desconhecer que combatentes do Estado Islâmico tenham sido mortos ou feridos nos ataques.

Segundo a organização, a coligação lançou mais de 50 ataques nas últimas horas.

O porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano, o contra-almirante John Kirby, anunciou na segunda-feira que os Estados Unidos e “nações aliadas” iniciaram a ofensiva contra o Estado Islâmico com uma combinação de caças-bombardeiros e mísseis Tomahawk a partir de navios no Mar Vermelho e no Golfo Pérsico.

Fontes oficiais disseram que cinco estados árabes estão envolvidos na ofensiva: Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Jordânia e Qatar.

Leia também:  Uber pode ser multado em mais de US$ 662 por omitir vazamentos de dados

O governo sírio afirmou hoje que apoia e está preparado para colaborar com “qualquer esforço internacional” contra os grupos jihadistas, desde que a soberania nacional e as resoluções internacionais sejam respeitadas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.