O término do período proibitivo de queimadas, previsto para esta segunda-feira (15), foi prorrogado pelo Governo do Estado para o dia 30 de setembro. Em Mato Grosso já foram registrados mais de 12 mil focos de calor.

O Comitê Estadual de Gestão do Fogo (CEGF), decidiu pela prorrogação do uso de fogo para limpeza e manejo de áreas, tendo em vista que fatores como baixa umidade relativa do ar, forte calor e ausência de chuvas o que favorecem a ocorrência de incêndios nas zonas urbana e rural.

De acordo com o coordenador do CEGF, major BM Ramão Correa Barbosa, em comparação ao período proibitivo de 2013, este ano entre os dias 15 de julho e um 15 de setembro houve um aumento de 60% no número de focos de calor, sendo que a região norte do Estado, lidera o ranking no número de queimadas.

Leia também:  Testemunhas, peritos e réus devem ser ouvidos em audiência sobre chacina em Colniza

Até esta segunda-feira o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) observou que foram contabilizados 12.080 focos de calor no estado, sendo que nos municípios de Colniza (1.228 focos), Nova Nazaré (593 focos), Feliz Natal (499 focos), Campinápolis (427 focos), Nova Ubiratã (401 focos), Paranatinga (350 focos), Gaúcha do Norte (337 focos), Nova Bandeirantes (328 focos), Aripuanã (323 focos) e Cotriguaçu (313 focos), foram registrados os maiores números de foco de calor.

Ramão Barbosa lembra que atear fogo nas áreas urbanas e rurais, sem autorização da Sema, é crime ambiental o ano todo. E durante o período proibitivo a multa pode variar de R$ 1mil a R$ 5 mil por hectare, dependendo da área queimada.

Leia também:  Hospital de Câncer de MT realiza 1° leilão inteiramente online
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.