O Pronto Atendimento (PA) do município de Guiratinga, distante há 106 Km de Rondonópolis, continua com as portas fechadas e ainda sem previsão para reabertura. Enquanto isso a população carente sofre, já que o local é o único que atende a rede pública de saúde.

O impasse teve início após o fim do contrato entre a instituição de saúde e o Município. Antes, o repasse mensal era de 136 mil ao mês mais cerca de 40 mil de verba destinada a internações e a pequenas cirurgias. Agora a direção pede um novo valor de 155 mil.

Foi cogitado a instalação de um procedimento judicial, porém na manhã de hoje (04), representantes do hospital, Prefeitura, Câmara Municipal e Ministério Público, se reuniam para discutir sobre o assunto.

Leia também:  Criminosos rendem vigia e ateiam fogo em Prefeitura de Nova Bandeiras

A instituição não sede, porque há alguns anos durante a validação de novos contratos, o hospital vem tento prejuízo, além do acúmulo de despesas. Atualmente a unidade conta com 18 funcionários.

Uma nova reunião foi marcada para esta quinta-feira, por volta das 16h.

CAOS

Leitores do Site AGORA MT, presenciaram no início da noite de ontem (03) o desespero de alguns pacientes que chegavam a unidade de saúde em estado grave, tendo que retornar para suas residências sem o Atendimento. Também no fim da noite desta quarta foi registrado um acidente no perímetro urbano de Guiratinga. A vítima uma mulher que teve fratura no braço, teve que ser levada a Rondonópolis, após intervenção Judicial.

Leia também:  Sinop | Fundação que administra hospital pede rompimento de contrato com governo

OUTRO LADO

Por telefone, o assessor jurídico de Guiratinga, Rogério Arcoverde, disse que a situação está quase normalizada.

“A princípio o hospital propôs que nós pagássemos R$ 241 mil ao mês, mas esse valor é inviável. Nós propomos R$ 145 mil e a direção do hospital ainda alega querer R$ 155 mil (válidos até dezembro) e após isso, um novo reajuste”, explicou.

Mas Rogério deixou claro que em nenhum momento o município deixou de negociar, e que não esperava que o hospital fechasse as portas para a população. “Deixamos um médico de plantão e ambulância a disposição, para qualquer eventualidade”, amenizou Arcoverde.

O assessor ainda informou que o PA já estava funcionando, porém em contato com a instituição, a recepcionista informou que ainda não há previsão de reabrir.

Leia também:  Agentes descobrem buraco feito em parede de cadeia em Colniza e presos fazem motim
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.