Uma determinação da magistrada Selma Rosane Santos, da 27ª Zona Eleitoral, para a retirada de um banner na frente da sede do Psol, localizada na avenida Mato Grosso, em Cuiabá, gerou polêmica nesta segunda-feira (22), já que a direção do partido se recusou a cumprir o pedido da juíza.

Após receber um documento que denunciava a irregularidade que foi feita pelo aplicativo pardal do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a direção do partido decidiu não atender o pedido da juíza já que o banner estaria de acordo com o que exige a legislação eleitoral. Em contrapartida, a juíza determina a retirada do banner que está fixado em um comércio, o que seria irregular.

O banner possui fotos da candidata à presidência, Luciana Genro, do candidato ao governo, José Roberto, do candidato ao senado, Gilberto Lopes Filho e do candidato a deputado federal, Procurador Mauro, e segundo o Psol atende todas as medidas exigidas e está fixado no local onde funciona a sede.

Leia também:  Marildes pode ser alternativa para Estadual

A confusão teria acontecido devido comitê do partido funcionar ao lado de uma loja de artesanato.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.