Vereador por dois mandatos e candidato a deputado estadual, Reginaldo Santos (PPS) se reuniu com o primeiro da linha sucessória do senador e agora candidato a governador Pedro Taques (PDT), José Medeiros (PPS), e o postulante a uma vaga na Câmara Federal e ex-prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti (PSB), para um debate acerca das principais necessidades da saúde pública dos municípios. A discussão, que ocorreu nos últimos dias, levou Reginaldo a convocar os colegas por uma frente política na luta pelas mulheres.

Dentre as ideias surgidas no debate do grupo, Santos falou a Medeiros e Sachetti, que podem estar no congresso no ano que vem, da necessidade de uma luta pelo melhor atendimento às mulheres na rede pública de saúde. Reginaldo quer que o procedimento da laqueadura ocorra simultâneo ao do parto. “Sabemos que quando uma mulher entra em trabalho de parto na rede privada, seja normal ou cesariana, e já tenha decidido pela laqueadura, no mesmo momento do nascimento do bebê o médico já faz o procedimento. O que acontece é que estes mesmos médicos quando atuando pela rede pública faz esta paciente ter de voltar 45 a 60 dias depois do nascimento do filho para um novo procedimento clínico, desgastante e que já poderia ter sido feito”, defende.

Leia também:  Câmara concede Moção de Aplauso à Escola Carlos Pereira Barbosa

Santos elogiou o trabalho do Ministério da Saúde que, por meio do programa de Planejamento Familiar, oferece apoio psicológico e psiquiátrico aos usuários do SUS para que decidam, em acordo entre o casal, pela laqueadura ou a vasectomia. O candidato, porém, afirma que fazer a mulher passar por dois procedimentos dolorosos tão perto um do outro é desumano. “Infelizmente a nossa sociedade é machista e no Brasil de cada 10 casais que decidem pela cirurgia em oito dos casos são laqueaduras e dois apenas vasectomias, mesmo sendo o procedimento no homem bem mais simples e menos doloroso. Além disso, fazer uma mulher que está amamentando, com dor e as vezes com outras dificuldades físicas e psicológicas voltar para um novo procedimento cirúrgico, prejudicando sua licença maternidade, é no mínimo desrespeitar estas mães”, opinou.

Leia também:  Câmara sanciona Projeto de Lei que permite aos cidadãos acesso à lista de imóveis da prefeitura de Rondonópolis

Reginaldo contou que a possibilidade de ter duas pessoas tão próximas a si em Brasília com força de mandato pode contribuir e muito para seu trabalho político, se vier a se eleger. “É óbvio que se eu vier a ser eleito pelo povo para deputado estadual meu trabalho será o de propor leis em nível de Mato Grosso para melhorar a vida das pessoas. Mas tendo assuntos como este da laqueadura com solução apenas em Brasília e havendo, se Deus quiser, pessoas como Adílton e Medeiros na capital federal com certeza vou acessá-los e pedir apoio. É o papel do legislador, seja ele deputado, vereador ou senador, atender as demandas populares e levá-las onde quer que elas tenham de ser resolvidas”, concluiu Reginaldo.

Leia também:  Thiago Silva questiona cobranças abusivas em taxas praticadas por cemitérios

Medeiros afirmou que encampará esta luta em Brasília, caso venha a assumir a cadeira no Senado Federal, com a vitória de Taques. “O que nós estamos chamando de humanização do parto trata-se apenas de um detalhe a mais para o médico, mas que faz toda a diferença na vida destas mulheres. O papel do parlamentar realmente consiste em usar da criatividade para fazer com o que o mesmo dinheiro público já aplicado em um setor seja melhor gerido e planejado, para que sem aumentar valores atenda melhor ao cidadão”, finalizou

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.