Medicamentos vencidos - Foto: Blog Pox
Medicamentos vencidos – Foto: Blog Pox

Dezenas de caixas de medicamentos foram descartadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Poxoréu, após serem encontradas vencidas, guardadas no interior da farmácia de distribuição. Os remédios são os mesmos que constantemente estão em falta nos postos de saúde do município, o que pode atrapalhar no tratamento dos pacientes locais.

Comprimidos como Amoxilina, Dipirona, Propanolol, Capitopril entre outros estavam em um cômodo da Secretaria de Saúde que é anexa ao Posto de Saúde João Andrade Figueiredo.

A moradora Lucimar Ferreira Afonso, sofre de hipertensão, tireoide, diabete e colesterol. Ela conta que por diversas vezes já teve dificuldade de adquirir seus remédios pelo serviço público municipal e que da última vez, percebeu que a data de validade era bem próxima.

Leia também:  Prefeito recebe diretores e encaminha demandas da Educação

“Várias vezes tive problema em pegar meu remédio. Uma vez tive que ir no Fórum e a justiça obrigou o município a comprar particular para mim e da última eu percebi que o medicamento estava quase vencido”, destacou a moradora local.

TCE

De acordo com dados encontrados no Site do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em um único mês (janeiro de 2014), a Prefeitura Municipal de Poxoréu gastou cerca de R$ 288 mil em medicamentos e mais de 40 mil em material de procedimento. Esses dados estão disponíveis para qualquer contribuinte que queira ter acesso através do Sistema de Auditoria Pública Informatizada de Contas, o (Aplic). A reportagem não teve acesso ao demais meses, porque o município ainda não entregou os relatórios ao órgão.

Leia também:  "Distritão" não passa e regra para eleições de deputados devem ser mantidas
Remédios não aparentam ser amostra grátis - Foto: Blog Pox
Remédios não aparentam ser amostra grátis – Foto: Blog Pox

OUTRO LADO

Em entrevista ao Site AGORA MT, o presidente do Poxoréu Previ (Fundo Municipal de Previdência Social dos Servidores de Poxoréu), Roni Ribeiro Rocha (PTB), que atualmente comanda de maneira informal a Secretaria de Saúde (uma vez que segundo ele, não foi nomeado, mas auxilia a prefeita Jane Maria Sanches Lopes – PSD), deu outra versão sobre o assunto.

Roni confirmou o descarte de alguns lotes de medicamentos, mas negou que tenha sido comprados pelo município, ele diz ser amostras grátis.

“Esses remédios não foram adquiridos pela Prefeitura, foram doados por outros municípios já quase vencidos e alojados em local impróprio”, comentou Roni ainda acrescentando que o assunto foi repercutido de modo errado pela oposição.

Leia também:  Pátio muda estilo e "dizima" oposição na Câmara

Contudo, o gestor afirmou que muitos estavam vencidos desde 2010, 2011, 2012, e 2013, mas que a situação já foi controlada e que já foi dada destinação correta dos medicamentos.

“Chegou uma remessa nova de remédios, fora isso, os exames laboratoriais e atendimento no Pronto Atendimento do Hospital João Batista já foi normalizado”, amenizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.