Unidades de saúde estaduais e municipais do Amapá vão passar a utilizar medicamentos fitoterápicos produzidos pela farmácia do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa). Inicialmente, três remédios foram disponibilizados para a rede estadual do Sistema Único de Saúde (SUS), para o tratamento de queimaduras, infecções e ferimentos. A previsão é de que os remédios sejam colocados à disposição da comunidade já no segundo semestre de 2014.

Os medicamentos escolhidos são o gel de jucá, o gel de babosa e a pomada de copaíba. De acordo com o Iepa, os produtos já são comercializados a preços populares na farmácia do instituto e a distribuição deles para as unidades de saúde será feita pelo Centro de Referência em Tratamento Natural (CRTN).

Leia também:  Lei anti-homofobia é regulamentada no DF pelo governador Rodrigo Rollemberg

As plantas que compõem os medicamentos são nativas da região amazônica e possuem propriedades cicatrizantes e antissépticas. Elas podem ser usadas em casos de ferimentos, queimaduras e lesões.

O gel de babosa está na relação nacional de medicamentos do Ministério da Saúde. O jucá e a pomada de copaíba estão na lista de fitoterápicos divulgada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Enquanto não são disponibilizados na rede pública, os remédios podem ser adquiridos na farmácia do Iepa, ao preço médio de R$ 5. Segundo o instituto, há uma quantidade limitada de venda do produto por cliente.

De acordo com o diretor do Iepa, Augusto Oliveira, a oferta será maior a partir de 2015, com a construção do primeiro Laboratório de Fitoterápicos da Amazônia, que deverá funcionar dentro da unidade.

Leia também:  Polícia apreende cerca de R$ 120 mil com grupo suspeito de fraudar vestibulares de medicina

“A Amazônia tem espécies de interesse farmacológico, mas ainda não conta com esses produtos disponíveis na rede nacional do SUS. Com a construção do laboratório teremos chance de ter o primeiro medicamento fitoterápico disponível no país produzido no estado”, concluiu Oliveira.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.