Os turistas de Negócios e Eventos gastam, em média, US$ 304 por dia no Brasil, segundo a “Pesquisa de Impacto Econômico dos Eventos Internacionais Realizados no Brasil”, feita pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) para a Embratur (Instituto Brasileiro do Turismo).

O valor é quatro vezes maior que as despesas dos estrangeiros que visitam o País em viagens de Lazer, que têm um gasto diário de US$ 73,77. “Com uma permanência média de sete noites no País, a maioria dos entrevistados informou que pretende retornar ao Brasil em, no máximo, dois anos. Para 74% dos entrevistados, a imagem do País é positiva e 92% elogiaram a receptividade do povo brasileiro”, destacou o presidente substituto da Embratur, Walter Ferreira.

A pesquisa foi realizada em 16 eventos internacionais nas cinco regiões do Brasil, entre os meses de março e agosto deste ano, e ouviu 1.659 participantes. O estudo mostra que as cidades mais visitadas por turistas estrangeiros de Negócios e Eventos são: Rio de Janeiro (33,2%), São Paulo (16,7%), Foz do Iguaçu (6%), Manaus (6%), Belém (4,5%) e Salvador (4,4%).

Leia também:  Confira as vagas de emprego desta segunda (25/09/17) em Rondonópolis

Dos entrevistados, 67,6% estiveram no Brasil pela primeira vez e 60% dos que já visitaram o País estiveram aqui por motivo de Negócios e Eventos. As cidades mais visitadas na viagem anterior foram Rio de Janeiro (27%), São Paulo (22,1%), Florianópolis (4,9%), Salvador (4,6%) e Foz do Iguaçu (3,6%). “Vale ressaltar que 87,7% dos turistas visitaram a cidade de realização do evento pela primeira vez”, disse Ferreira

Perguntados sobre a cidade-sede do evento, 74% dos entrevistados disseram que a imagem é positiva. Entre os que planejam ficar na cidade do evento, a permanência média é de 3 dias. Sobre a receptividade dos atendentes locais e das pessoas, 92% avaliaram como boa ou regular.

Leia também:  MT | Número de consumidores inadimplentes registrou aumento de 1,74% em outubro

A organização da viagem também foi tema do estudo, que mostrou que para 64,6% dos entrevistados, o fato do evento ter sido realizado no Brasil influenciou positivamente a decisão de participar. A maior parte dos entrevistados (52%) tem a viagem organizada por eles mesmos. Ao todo, 45% dos participantes buscaram a organização do evento no Brasil para colher informações sobre serviços e produtos turísticos, enquanto 20% procuraram a internet.

“Os participantes com nível superior correspondem a 97,3% do total, e 39% têm renda acima de US$ 4 mil, ou seja, um público formador de opinião, com alto poder aquisitivo e capaz de levar ao seu país boas informações sobre o Brasil e que terá condições de retornar para conhecer outros destinos turísticos com seus familiares”, comentou Walter Ferreira.

Ainda de acordo com ele, os resultados mostram a importância que o segmento tem para o turismo e como ele deve ser priorizado nas políticas de promoção turística do Brasil no mercado internacional. Para ele, os grandes eventos esportivos realizados confirmam de vez a vocação do País como um grande realizador de eventos estrangeiros. “Em dez anos, os congressos e convenções de negócios realizados no Brasil registraram um aumento de 408%. Conforme os dados divulgados em maio pela ICCA (Internacional Congress and Convention Association), entre 2003 e 2013, o total de eventos passou de 62 para 315. No mesmo período, o número de cidades que sediaram esse tipo de evento subiu 145%, passando de 22 para 54. O ranking divulgado mostra que o Brasil permaneceu entre os dez países que mais recebem congressos e convenções associativas, liderado pelos Estados Unidos”, finalizou.

Leia também:  Brasil reabre mercado japonês para exportação de leite e derivados
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.