A Bolívia fará eleições gerais no próximo domingo (12) e escolherá seu presidente para um mandato de cinco anos. Respeitando a Lei Eleitoral boliviana, nesta quarta (8) foi o último dia de atos públicos de campanha, que, de acordo com analistas internacionais, transcorre em um clima calmo. Apesar disso, o Tribunal Supremo Eleitoral informou que 37 mil policiais e 20 mil militares farão a segurança nas eleições, que têm 6.245.959 bolivianos habilitados a votar.

O atual presidente, Evo Morales, tenta chegar a seu terceiro mandato consecutivo e, de acordo com as pesquisas divulgadas, tem quase 60% das intenções de voto. Morales, eleito pela primeira vez em 2005, é o primeiro presidente indígena boliviano, povo que representa cerca de 60% da população do país. Além dele, também concorrem à Presidência Samuel Doria Medina, empresário do ramo de cimento; Jorge Quiroga, que foi vice-presidente do país por quatro anos e, em seguida, assumiu como presidente pelo período de um ano; o prefeito de La Paz, Juan del Granado, e o líder indígena Fernando Vargas.

Leia também:  Controladora de voo lança livro relatando tragédia da Chapecoense que matou 71 pessoas

Entre os eleitores registrados para votar, 272.058, ou 4,3% do total, são residentes em outros 33 países. O voto de cidadãos bolivianos no exterior estreou nas últimas eleições, em 2009, somente para alguns residentes na Argentina, Espanha, nos Estados Unidos e no Brasil. Desta vez, as votações foram ampliadas para mais 29 países. O voto dessas pessoas é facultativo e eles apenas podem escolher candidatos a presidente e vice.

De acordo com as regras eleitorais bolivianas, a Lei Seca tem início 48 horas antes do pleito e só se encerra ao meio-dia na próxima segunda-feira. Todos os cidadãos entre 18 e 70 anos de idade são obrigados a votar. Nos 90 dias seguintes, os bolivianos precisam apresentar o comprovante de votação para utilizar serviços em instituições públicas e bancos. Aqueles que não votarem, têm até 30 dias para justificar a ausência ou pagar uma multa equivalente a R$ 135.

Leia também:  Clínica psiquiátrica pega fogo misteriosamente e deixa 50 feridos e um morto

Pelo calendário eleitoral, a campanha na Bolívia começou em julho, mas as propagandas dos partidos na imprensa só começaram em setembro. O segundo colocado nas pesquisas é o empresário Doria Medina, que aparece com entre 13% e 18% das intenções de voto. Segundo a Constituição boliviana, para um candidato ser eleito em primeiro turno precisa ter mais de 50% dos votos ou ter mais de 40% e uma distância de pelo menos 10% sobre o segundo colocado, o que, de acordo com as pesquisas, aponta uma vitória do atual presidente sem necessidade de um segundo turno. Em 2005, Morales foi eleito com 54% dos votos e, em 2009, com 64%.

Leia também:  Ministra se demite de cargo após crise no governo de Portugal causado por incêndios

Com mais de 10 milhões de habitantes, a Bolívia, assim como o Paraguai, são os únicos países da América do Sul sem saída para o oceano, o que dificulta o escoamento de sua produção. Tem fronteira com o Brasil, a Argentina, o Paraguai, o Peru e o Chile. A economia boliviana está baseada nas indústrias de petróleo e gás, na mineração e na agropecuária. A capital do país é Sucre, mas a sede do governo é em La Paz. O país tem nove departamentos (estados) e fala mais de 30 línguas, sendo os principais o espanhol, falado por quase 90% da população, o quéchua, por 34%, e o aymara, por 23,5% das pessoas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.