Três salas de aula foram invadidas pelo grupo, que continua foragido (Foto: Dyepeson Martins/G1)
Três salas de aula foram invadidas pelo grupo, que continua foragido (Foto: Dyepeson Martins/G1)

Sete homens armados com facas e terçados invadiram a Escola Estadual Helenise Walmira Dias dos Santos, localizada em um ramal no bairro Marabaixo, na Zona Oeste de Macapá. O episódio ocorreu na tarde desta quinta-feira (30). Segundo testemunhas, o grupo rendeu a vigilante da instituição, que estava desarmada, e invadiu três salas de aula onde estudam alunos do 5º e 6º ano. Eles teriam ameaçado estudantes e professores e roubado celulares, mochilas, notebooks e dinheiro. Ninguém foi preso.

“Eles se dividiram e entraram nas duas primeiras turmas e rederam os professores que estavam dando aula. Logo depois foram para a outra turma e fizeram a mesma coisa. Eles pegaram tudo o que podiam carregar, tudo o que achavam que era de valor”, contou uma funcionária do colégio, que pediu para não ser identificada.

Leia também:  Em menos de um mês setembro tem o maior número de queimadas da "história" brasileira

Ela diz que ao perceberem a ação do grupo, alguns funcionários se trancaram dentro da sala dos professores e permaneceram lá até a chegada da Polícia Militar (PM). Testemunhas contaram que todos os membros do grupo armado estavam encapuzados, o que dificultou a identificação dos mesmos.

REFÉM

A vigilante do colégio disse que ficou cerca de 10 minutos sendo ameaçada com uma faca no pescoço. “Eu estava sentada e corri quando os vi. Um deles me pegou e colocou a faca no meu pescoço, foi aí que eu fiquei desesperada”, contou a mulher, que preferiu ter a identidade preservada.

Uma equipe do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi acionada para o local. Segundo os policiais, ninguém foi identificado. As aulas no colégio foram suspensas até sexta-feira (31). “Nós estamos muito próximos de uma área de invasão e há pouco policiamento. Os bandidos podem morar em locais próximos e isso aumenta ainda mais o medo”, falou uma servidora pública que presenciou o crime.

Leia também:  Bebê baleado no útero da mãe morre após um mês em UTI
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.