Criativos e irreverentes, os japoneses não têm vergonha de demonstrar sentimentos como paixão e empolgação. Na Fórmula 1 não é diferente, e os animados torcedores fazem questão de transformar o GP do Japão em um verdadeiro desfile de fantasias e faixas com mensagens de apoio. Graças à atmosfera única que toma conta de Suzuka durante os três dias do evento, os pilotos da principal categoria do automobilismo mundial não economizam em elogios aos fãs nipônicos.

– O Japão é um dos melhores circuitos do calendário. O primeiro setor é incrível e as mudanças de altitude aumentam a emoção na pista. Os fãs japoneses são alguns dos mais apaixonados. Pode ser uma quinta-feira chuvosa que as arquibancadas ficam lotadas do mesmo jeito. Eu adoro o Japão – afirma o brasileiro Felipe Massa.

Disputado pela primeira vez em 1963, o GP do Japão ficou fora do calendário da F-1 entre 1978 e 1986. Quando retornou de forma definitiva, a etapa japonesa ficou marcada por polêmicas entre Ayrton Senna e Alain Prost. Vencedor em 1988 e 1993, Senna acabou conquistando seus três títulos mundiais em Suzuka, em 1988, 1990 e 1991. Nelson Piquet e Rubens Barrichello também triunfaram por lá, em 1990 e 2003, respectivamente.

Dos pilotos em atividade, nenhum venceu tanto em Suzuka quanto Sebastian Vettel. O alemão da RBR subiu no lugar mais alto do pódio japonês em 2009, 2010, 2012 e 2013, ficando atrás apenas do compatriota Michael Schumacher no quadro de vitórias – o heptacampeão mundial triunfou por seis vezes em Suzuka (1995, 1997, 2000, 2001, 2002 e 2004). Para Vettel, o carinho e a empolgação dos fãs são o diferencial mais marcante da etapa nipônica.

Leia também:  União, mesmo com derrota, avança e joga de novo contra o Dom Bosco

– Suzuka é um circuito fantástico. Provavelmente o único circuito comparável no calendário é Spa. É muito desafiador, especialmente no primeiro setor, com curvas de alta velocidade. E os fãs são muito especiais. A atmosfera é incrível, as multidões apreciam o que os pilotos fazem, e é muito bom ver isso – comenta o atual tetracampeão.

Para o mexicano Esteban Gutiérrez, o carinho dos fãs acaba se transformando em uma motivação extra para os pilotos. O inglês Jenson Button, que quebrou a sequência de vitórias de Vettel com um triunfo em 2011, acrescenta que a atmosfera contagiante de Suzuka faz com que os competidores se sintam em casa.

– A presença de fãs no Japão é grande, e estou impressionado com o entusiasmo e a paixão dessas pessoas pelas corridas. Assim que os pilotos chegam lá, os fãs nos fazem sentir especiais, porque eles apreciam muito o que estamos fazendo. Esta é uma boa motivação para nós – destaca Gutiérrez.

Leia também:  Cuiabá sediará torneio de luta em pé

– Suzuka parece uma segunda corrida em casa para mim. O Japão é um lugar muito especial, e minha vitória aqui em 2011 realmente se destaca na minha carreira. Os fãs são muito apaixonados e isso é um diferencial muito grande. Há uma atmosfera incrível durante todo o fim de semana – completa Button.

Senna é ícone máximo da torcida japonesa

A veneração dos japoneses a Ayrton Senna começou em 1987, quando o brasileiro, ainda na Lotus, conquistou o carinho e a admiração dos funcionários da fornecedora de motores Honda. Na temporada seguinte, Ayrton levou a empresa para a sua nova equipe, McLaren, e arrebatou de vez a torcida nipônica.

O primeiro título de Senna foi conquistado em Suzuka, em outubro daquele ano, mas foi o bicampeonato, também assegurado no Japão, dois anos depois, que mexeu com o imaginário dos fãs. Em um dos episódios mais controversos de sua carreira, Senna forçou um acidente com a Ferrari do ex-companheiro Prost na primeira curva, acabando com as chances de o francês conquistar o título.

O brasileiro “deu o troco” em uma manobra semelhante do rival na igualmente polêmica decisão da temporada anterior, também ocorrida em Suzuka, quando ainda eram companheiros de equipe. Apesar da postura questionável, Senna continuou despertando o fascínio no público nipônico. Tanto que logo se tornou personagem de inúmeros mangás (os tradicionais quadrinhos orientais) e jogos eletrônicos.

Leia também:  Alto Araguaia será representada por quatro tenistas na Copa das Federações em MG

Este ano, o GP do Japão será palco de uma cerimônia que marca o retorno da Honda à Fórmula 1, novamente como parceira da McLaren. Para comemorar, a empresa exibirá o MP4/4, carro com o qual Senna conquistou o título de 1988, além da Williams FW11, vencedora do Mundial de Construtores de 1986. Os dois carros ficarão na GP Square, um espaço em Suzuka construído especialmente para os fãs.

Fique ligado nos horários do GP do Japão

O primeiro treino livre para o GP do Japão, válido pela 15ª etapa da temporada, está marcado para esta quinta-feira, às 22h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo no SporTV. A TV Globo exibe as emoções da corrida ao vivo, na madrugada de sábado para domingo, a partir das 3h, e o GloboEsporte.com acompanha todas as movimentações no circuito de Suzuka em Tempo Real. Fique ligado nos horários!

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.