Pouco menos de um mês antes do UFC Rio 5, ou UFC 179, Alan Nuguette foi forçado a desistir de sua luta contra o iraniano Beneil Dariush no evento por causa de uma lesão sofrida em treino. Uma fratura na mandíbula, que vai demandar cirurgia, o tirou dos treinos com contato fisico por pelo menos um mês, e impediu sua participação no evento. Foi a segunda luta de que o paulista a desistir de participar em 2014, ano em que só lutou uma vez – em fevereiro, em Newark (EUA), uma vitória sobre John Makdessi. Por isso, Nuguette corre contra o tempo para voltar ao octógono em dezembro.

– Eu ia lutar em Las Vegas, em julho, naquele que lutou o Ildemar Marajó (UFC 175). Ele pegou o meu lugar. Eu tive uma tendinite no ombro e não consegui manter o treinamento. Agora, estava pronto para esta luta e aconteceu isso. Tinha que ter um tempo hábil de descanso (pós-cirurgia) de no mínimo 15 dias. Aí teria uma semana para perder peso e lutar depois de dois dias. Não dá. Treinando em alto rendimento, se você perde um dia, é como perder uma semana. Perder 15 dias, perdi quase um mês e meio. E a comida que eu estava comendo, não posso mais: só comida gelada, papinha, muito suco, água gelada. Meu corpo não ia render de jeito nenhum, porque mudei a dieta todinha. Não ia aguentar. A gente vai fazer de tudo para, no máximo, estar 100% em dezembro – contou Alan Nuguette ao Combate.com.

Leia também:  Circuito de Tênis começa nesta quarta em Cuiabá

A imagem dos dentes frontais da arcada debaixo recuados até a língua, divulgada na segunda-feira, foi forte, mas o lutador já está com tudo no lugar. A dentista Mariana Barros, sócia-fundadora da Academia Brasileira de Odontologia do Esporte, explicou que a lesão foi uma fratura de rebordo alveolar, bloco de osso que segura os dentes. Este bloco foi reposicionado e foi feita uma contenção rígida, com fios de aço, para manter os dentes no lugar. Na parte superior dos dentes, foi feita outra contenção, com resina, para que o bloco não se movimente até a realização da cirurgia, em que será inserida uma placa de titânio.

– Nessa fratura dele, onde foi só um rebordo alveolar, não (precisaria de cirurgia) se fosse um paciente comum, que não vai se submeter a traumas frequentes. Mas, como daqui a dois, três meses, ele vai estar lutando novamente, é necessário, para que fique um osso bem forte nessa região – comentou a dentista.

Leia também:  Derrota diante do Dom Bosco gerou prejuízo financeiro ao União

Uma dúvida comum após a divulgação das fotos foi se Nuguette estava usando protetor bucal no momento que sofreu a joelhada acidental, e se esse protetor era para ambas as arcadas. Mariana Barros aproveitou para esclarecer que o lutador estava usando a proteção recomendada, na arcada superior e personalizada.

– A gente tem um princípio básico, que é nunca utilizar um protetor duplo. Um protetor duplo pode parecer aos olhos do leigo que impediriam uma lesão dessas do Alan por estar com um protetor na arcada inferior, mas, na verdade, é totalmente o oposto. Um protetor duplo, ou individual tanto na arcada inferior quanto superior, de qualquer forma seria prejudicial para ele, porque ele deixa sua arcada numa posição favorável à fratura. Ele teve uma fratura, só que não foi uma fratura completa de mandíbula. (Se usasse protetor duplo) Seria provavelmente uma fratura completa de mandíbula. Quando a gente chama de fratura completa, é quando você tem a mandíbula partida, e no caso dele não foi isso que aconteceu. O protetor bucal não protege só os dentes, como protege tecidos moles e ossos em geral na face. Ele evita traumas não só na mandíbula e na maxila, mas também evita concussão cerebral. É extremamente importante, e a gente tem que usar o caso do Alan como um alerta, que, na verdade, se ele estivesse sem o protetor, seria muito grave, bem pior – disse Barros.

Leia também:  Atleta da Seleção brasileira de Hóquei é assassinado com tiro na nuca em SP

Conhecido pelo bom humor e otimismo, Alan Nuguette viu o “lado positivo” da lesão: vai poder passar mais tempo em casa com o primeiro filho, nascido em agosto e que passou por cirurgia de hérnia recentemente.

– Há males que vem para bem. Meu filho nasceu agora, eu não conseguia me concentrar no treino, ficava pensando em casa, muita coisa ao mesmo tempo. O moleque passando mal, operou ontem (segunda-feira), agora sou eu que vou operar em dois dias, está todo mundo em casa operado – finalizou o lutador.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.