milho safrinhaO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de setembro projeta uma safra de 193,5 milhões de toneladas em 2014, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Se confirmada, a safra será 2,8% superior à do ano passado, que foi de 188,2 milhões de toneladas. O instituto praticamente manteve sua estimativa de agosto – houve redução de apenas 84,72 mil toneladas.

Os produtores brasileiros devem colher uma área de 56 milhões de hectares em 2014, um aumento de 5,9% em relação à 2013, quando a área totalizou 52,8 milhões de hectares, segundo o IBGE. O montante, no entanto, é 0,5% inferior ao previsto no prognóstico de agosto. As três principais culturas – arroz, milho e soja – respondem por 91,2% da estimativa da produção e por 85,1% da área a ser colhida.

Leia também:  Acidente cinematográfico chama a atenção na avenida Júlio Campos

A área a ser colhida de arroz aumentou 0,2% ante 2013, enquanto a soja teve expansão de 8,2%. Já o milho registrou redução de 1,2% na área este ano. Quanto à produção, o arroz aumenta 3,5% em relação a 2013, e a soja cresce 5,5%. A produção do milho será 3,1% menor.

Nesta quinta-feira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) também divulgou sua primeira estimativa para a safra 2014/2015, entre 194 e 201,6 milhões de toneladas. Para a safra passada (2013/2014) a estimativa final da companhia, divulgada em setembro, foi de recorde de 195,46 milhões de toneladas, aumento de 3,6% em relação ao ciclo 2012/13.soja mt

“O resultado representa um intervalo de menos 1,46 a um aumento de 6,17 milhões de toneladas frente às 195,4 milhões de toneladas da última safra”, disse a companhia em comunicado. Para a próxima (2014/2015), a projeção para a área plantada está entre 56,23 e 58,34 milhões de hectares.

Leia também:  Antigo Luthero vira cult e ganha lembrança especial do torcedor

“Neste primeiro levantamento, as lavouras estão em fase inicial de plantio. Poderá ocorrer, no entanto, alterações na produtividade ao longo da evolução das culturas, devido a efeitos das condições climáticas e fitossanitárias”, explicou a Conab em nota.

Diferença – Além dos tipos de grãos pesquisados, as estimativas da Conab e do IBGE diferem em termos de metodologia, critérios para a amostragem e época do levantamento. Enquanto a Conab trabalha com ano-safra, que vai de abril a março do ano seguinte, o IBGE usa anos-civis, de janeiro a dezembro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.