Através de um novo comunicado oficial divulgado nesta quarta-feira, a equipe Marussia negou com veemência relatos divulgados pela mídia internacional de que teria instruído Jules Bianchi a dirigir rapidamente, mesmo diante da bandeira amarela na pista do GP do Japão. Na nota, a escuderia se diz indignada com o fato de este cenário ter sido cogitado.
– A Marussia está chocada e irritada com essas alegações. Em um momento em que o piloto está em estado crítico em um hospital, e a equipe deixou claro que a prioridade é a consideração com Jules e sua família, é angustiante ter que responder a rumores perturbadores e imprecisos sobre as circunstâncias do acidente de Jules – disse o comunicado.
Ainda no comunicado, a Marussia descreveu os rumores como ”relatos isolados da mídia” e diz que tudo esta comprovado pelos dados de telemetria.

Leia também:  Diretoria do União decide manter 15 jogadores que disputaram a Série D

– Jules diminuiu a velocidade sob as bandeiras amarelas. Isso é um fato irrefutável.Comprovado nos dados de telemetria, que os times mandam para a FIA – insistiu.
A escuderia também afirma que uma cópia do áudio da transmissão de rádio completa, entre Jules e a equipe, e também a transcrição do mesmo, já foram fornecidos para a FIA. Segundo o comunicado, fica bastante claro através deste material que em nenhum momento durante o período que antecedeu o acidente de Jules ele recebeu orientação para dirigir mais rápido.
Nesta terça-feira, a equipe Marussia havia atualizado as informações sobre o estado de saúde de Jules Bianchi, internado desde dia 5 de outubro em decorrência do assustador acidente no GP do Japão, quando chocou-se a mais de 200km/h em um guindaste que recolhia a Sauber de Adrian Sutil. A escuderia informa que o francês de 25 anos segue em estado crítico, mas estável e classificou a situação como “desafiadora” em razão da grave lesão que o piloto sofreu no cérebro.
Apoio total da Marussia
A Marussia tem demonstrado grande apoio a Jules Bianchi desde o acidente. Um dos chefes da escuderia, John Booth, permaneceu no Japão para acompanhar de perto a situação do piloto. Enquanto isso, o restante da equipe foi para Sochi para a disputa do GP da Rússia domingo. O fim de semana foi marcado por inúmeras manifestações de carinho. A equipe decidiu correr com apenas um carro, o de Max Chilton, e deixou o de Bianchi montado nos boxes durante os dias de evento. Os pilotos correram com adesivos com a inscrição “Todos com Jules” nos capacetes e fizeram uma corrente de oração pouco antes da largada. Para a próxima corrida, nos Estados unidos, a Marussia estuda promover o americano Alexander Rossi para “garantir o legado de Bianchi”.

Leia também:  Atletas sub 16 de Rondonópolis participam de competição em Cuiabá
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.