A Polícia Judiciária Civil desvendou a autoria de um crime de latrocínio cometido no ano de 2007, que resultou no assassinato do policial rodoviário federal, Elias Rodrigues Sales, ocorrido no interior de um bar, em Várzea Grande. A vítima foi morta com 1 tiro na cabeça no início da noite do dia 26 de maio de 2007.

Passados mais de sete anos, a Polícia Civil chegou a autoria do criminoso e descobriu que a vitima sofreu um roubo mal sucedido. O delegado Luciano Inácio da Silva, que assumiu casos antigos em trâmite na Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), concluiu que o policial rodoviário foi morto durante tentativa de assalto no bar “Ponteio”, cometido por duas pessoas armadas, uma delas identificada por Willian Macedo dos Santos, que em dezembro de 2007 foi preso policiais militares no bairro São Mateus, com uma mochila nas costa e um revólver calibre 38, mesma arma usada no crime.

Leia também:  Investigados por homicídio são presos com armas e munições em Alta Floresta

No inquérito, a Polícia Civil trabalhou com duas linhas de investigações, ambas frutos de denúncias anônimas. Uma tratando o homicídio como crime de mando e que o autor do crime seria um adolescente conhecido por “Thiaguinho” ou ” Jonata” e a outra o autor seria Willian de Oliveira Arruda, conhecido por “Willian Capeta”.

A tese de crime de mando não ficou confirmada, pois a denúncia relatava que vítima teria “mexido” com uma garota namorada de um jovem e que este teria mandado executar o policial em honra da moça. A informação foi apurada e ficou confirmado que não havia qualquer relação da vítima com essas pessoas e que este fato teria ocorrido 20 dias após o assassinato do policial.

Leia também:  Pais devem ser indenizados após morte de filho atingido por raio

Descartada a hipótese de mando, a Polícia Civil passou a apurar denúncia de que o autor seria Willian de Oliveira Arruda, o “Willian Capeta”, cujas características físicas coincidiam com as relatadas por testemunhas ouvidas na investigação, de que o “atirador seria um individuo alto, magro e moreno”, e que também havia sido preso com revolver calibre 38.

O suspeito também tem vasta ficha criminal. Na época de sua prisão era foragido do presídio Osvaldo Florentino Alves Ferreira (Ferrugem), em Sinop, em 11 de fevereiro de 2007, onde cumpria pena de 45 anos de reclusão por latrocínio.

“Diante da constatação de que Elias foi morto com uma arma de calibre 38, e que o indivíduo apontado na denúncia anônima como sendo o autor do crime, havia sido preso portando um revólver de igual calibre, foi requisitado exame de confronto balístico com a finalidade de atestar, ou não, o uso do revólver apreendido com Willian no crime em questão. O resultado foi positivo”, destaca trecho do relatório.

Leia também:  Ao avistar viatura, homem engole droga e vai parar no PA

O suspeito Willian Macedo dos Santos, atualmente preso na Penitenciária Central do Estado (PCE), foi indiciado no crime de latrocínio cometido em concurso de pessoa. O comparsa dele não foi identificado. O inquérito policial foi encaminhado ao Fórum de Varzea Grande no mês de junho de 2014. A autoridade policial representou pela prisão preventiva do suspeito.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.