A Polícia Civil investiga um golpe milionário aplicado no comércio de Várzea Grande e envolvendo uma loja de materiais de construção. A Delegacia Especializada de Roubos e Furtos cumpriu mandados de busca e apreensão, hoje, em uma loja de um grupo e em três depósitos da empresa, ambos no município. Pelo menos 11 empresas, já identificadas, todas de Várzea Grande, sofreram o golpe denominado “Arara”, que até o momento está estimado em R$ 17 milhões.  As  vítimas são, principalmente, empresas do ramo de eletrodomésticos, que pelos contratos de compra e venda receberam como forma de pagamento cheques com insuficiência de saldo ou com divergências na assinatura, além de duplicatas e boletos, cujos pagamentos deixaram de ser honrado pelo comprador.

O argumento para compra de tamanha quantidade de produtos se valia de uma suposta licitação que a empresa disse ter vencido da Assembleia Legislativa e como não tinha estoque para atender passou a comprar de outras empresas. No entanto, a Polícia Civil confirmou que não existe nenhuma licitação do grupo com a Assembleia Legislativa. A investigação iniciou, esta semana, com o cumprimento de ordem de serviço, na loja do grupo, que registrou boletim de ocorrência, no dia 4 de setembro, informando o furto de um lote de televisores, que estavam no depósito.

Leia também:  Quadrilha rende e aterroriza pessoas em bar na Gleba Rio Vermelho

Na ocasião, o gestor da empresa disse que havia vencido uma licitação da Assembleia Legislativa e precisava entregar os produtos. A vítima informou que bandidos teriam quebrado a parede do galpão onde estavam guardados os produto. Em diligências pelo depósito, os policiais verificaram que o buraco já estava tampado com marcas evidentes na parede. “Os investigadores suspeitaram do local onde o buraco foi aberto porque dava acesso a uma avenida muito movimentada e pela dificuldade de acesso naquele espaço e ainda porque a empresa tem vigilante armado”, disse o delegado Francisco Kunze. Durante a averiguação, os policiais perceberam uma coluna coberta com lona preta e ao descobrir encontraram vários televisões com as mesmas características registradas no boletim, indicando uma falsa comunicação de crime.

Leia também:  Acusado de matar cabeleireiro em frente à faculdade é condenado a 20 anos de prisão

A partir da desconfiança da falsa comunicação e da inexistência de processo licitatório da empresa junto a Assembleia Legislativa, a Delegacia de Roubos e Furtos passou a investigar o suposto estelionato. “O registro do furto pretendia esconder as mercadorias e justificar o não pagamento às vítimas do golpe”.

Entre os produtos comprados e apreendidos nesta sexta-feira (10) estão centenas de  colchões, fogões, máquinas de lavar roupa, aparelhos de ar condicionado, peças de computadores e pneus, que lotaram oito caminhões levados para Delegacia e vigiados por policiais da Gerência de Operações Especiais (GOE), que também ajudaram no cumprimento das ordens judiciais. Durante as investigações, o advogado da vítima, que passou a ser suspeito, apresentou um processo protocolado no dia 24 de setembro na Vara Especializada de Falência e Recuperação Judicial, em Cuiabá, de recuperação judicial em valor superior a R$ 17 milhões. No dia 29 de setembro a Justiça já teria concedido tal recuperação.

Leia também:  Após consumir em lanchonete, homem não paga conta, tenta furtar carro e é detido por clientes

O processo apresentava centenas de fornecedores. Segundo o delegado Kunze, alguns dias antes de protocolar o processo, o suspeito adquiriu três veículos BMW. “O que reforça a intenção de lesar esses fornecedores, conforme já havia sido verificado e configurado o crime de estelionato”. – See more at: http://www.sonoticias.com.br/noticia/policia/golpe-causou-prejuizo-de-r-17-milhoes-em-empresas-de-mato-grosso#sthash.JJvdr1pZ.dpuf

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.