A Austrália vai disponibilizar verba de US$ 17,5 milhões para a contratação de pessoal visando a combater o ebola em Serra Leoa, mas não vai enviar profissionais de saúde australianos para o país africano, anunciou hoje (5) o primeiro-ministro, Tony Abbott. “Antecipamos que sejam necessárias 240 pessoas para fazer o trabalho”, disse, indicando que a equipe vai ser formada por pessoal local.

O primeiro-ministro anunciou um acordo com a empresa australiana Aspen Medical para o envio de pessoal nos próximos dias. Hospital em Serra Leoa, com cerca de cem camas, construído pelo Reino Unido, é o local que abrigará o pessoal a ser contratado com os recursos da Austrália.

Abbott, que justificou o recrutamento de pessoal com o fato de se tratar de uma “emergência de saúde”, reiterou que a Austrália não vai enviar os seus cidadãos, apesar de não descartar a possibilidade de a Aspen trabalhar com australianos que desejem viajar para aquele país africano.

Leia também:  Cientistas criam método que detecta uso de cocaína pela impressão digital

“Preocupa-nos particularmente que o pessoal australiano que se desloca para a África Ocidental possa ter acesso adequado a tratamento e aos procedimentos de evacuação”, afirmou.

A Austrália já tinha destinado cerca de US$ 15,7 milhões em ajuda para a luta contra o ebola na África Ocidental, para onde foram apenas voluntários australianos.

Em outubro, a Austrália suspendeu os vistos de cidadãos de países afetados pelo vírus.

Conforme o último levantamento da Organização Mundial da Saúde, 13.567 pessoas já foram contaminadas pelo vírus ebola. Destas, 4.951 morreram, a maioria em Serra Leoa, na Guiné-Conacri e na Libéria.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.