A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi internada neste domingo (2) em um hospital de Buenos Aires por apresentar um quadro febril infeccioso, informaram fontes oficiais.

Ela foi hospitalizada para tratar a infecção e observar a evolução do quadro, informou a Unidade Médica Presidencial.

O comunicado, que leva as assinaturas dos médicos Marcelo Ballesteros e Ricardo Solla, indicou que Cristina, de 61 anos, “apresentou na tarde hoje um quadro febril infeccioso, por isso se decidiu pela internação no hospital Otamendi para observação e tratamento”.

O chefe de Gabinete, Jorge Capitanich, se recusou a comentar nesta segunda-feira (3) o estado de saúde de Kirchner durante uma entrevista coletiva.

“Me remeto ao comunicado oficial sobre um quadro febril infeccioso”, afirmou.

Leia também:  Curandeiro se entrega a policia por ato de canibalismo "estou cansado de comer carne humana"

Também disse que conversou com a presidente em duas oportunidades no domingo, antes da internação.

Capitanich não informou se a presidente terá condições de receber a colega chilena, Michelle Bachelet, que fará uma rápida visita oficial na terça-feira por ocasião do aniversário de 30 anos do acordo de paz entre os dois países.

Fontes médicas citadas pela imprensa argentina afirmaram que a origem do problema é uma “síndrome bacteriana de provável foco intestinal”.

Uma fonte destacou que o problema representa “mais incômodo que um quadro de gravidade”, segundo a France Presse.

Problemas de saúde
Kirchner, de 61 anos, retomou a agenda oficial em 21 de outubro, depois de suspender as atividades por 48 horas por ordem médica em consequência de uma faringite.

Leia também:  Empresário opta ir nadando para o trabalho para evitar stress do trânsito

Em julho, um quadro de faringolaringite também obrigou a presidente a manter repouso por 48 horas, que depois ela ampliou para uma semana e também a obrigou a suspender a agenda e a adiar uma viagem ao Paraguai.

 

Há pouco mais de um ano, Cristina Kirchner foi submetida a uma cirurgia por um hematoma craniano, uma operação que a deixou afastada do governo por seis semanas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.