A Ferrugem asiática da soja deve chegar bem mais cedo às lavouras na safra 2014/2015, segundo o pesquisador, Fabiano Siqueri, da área de Proteção de Plantas da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária, Fundação MT. “Estamos acompanhando o número de focos da doença em plantas guaxas “tigueras” através do Consórcio Anti Ferrugem. Esses números são muito maiores se comparados ao mesmo período do ano passado. Então há uma perspectiva de que o fungo ataque um pouco mais cedo”.
A safra começou com bastante seca, muitos produtores arriscaram o plantio ainda em setembro. “Vimos um ataque muito severo de lagartas no começo, agora com a estabilização das chuvas, a tendência disso é diminuir. Mas, ao mesmo tempo quando tem muita chuva, é um ambiente extremamente favorável para doenças, especialmente a ferrugem”, explica o pesquisador.
Estas informações estão sendo repassadas por Siqueri e pelo também especialista da Fundação MT, Ivan Pedro, durante os encontros do É Hora de Cuidar 2014 realizado pela instituição. Eles apresentam aos participantes o número de focos já detectados nesta safra e comparam com os anos anteriores. A perda de eficácia de alguns produtos associado às dificuldades de controle da doença e a influência do clima no manejo também são assuntos ligados ao tema abordados nos encontros.

Leia também:  Curso gratuito preparatório para o Enem abre inscrição com 1,2 mil vagas em MT

Discussões mais polêmicas como vazio sanitário e soja safrinha têm espaço nas palestras e os produtores tiram dúvidas para esclarecerem sobre os principais cuidados que devem tomar com a lavoura de soja plantada nesta safra. “A Fundação MT adota uma postura de alerta com recomendações e estratégias para o manejo da ferrugem e outras doenças”, destaca Ivan Pedro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.