O roteiro que parecia esgotado pelo Atlético-MG voltou a se repetir em mais uma noite mágica no Mineirão. Precisando vencer por três gols de diferença e sem levar nenhum para avançar à final da Copa do Brasil, o Galo saiu atrás no placar, mas na base da raça e com o apoio da torcida fez os quatro gols que necessitava para se garantir na decisão. O jogo teve praticamente de tudo, desde um encontrão entre Levir Culpi e Eduardo da Silva, passando por laterais cobrados por Marcos Rocha, que causavam perigo de gol todas as vezes, até culminar com a emoção geral de jogadores e torcedores depois da vitória por 4 a 1 sobre o Flamengo.

LATERAL INFERNAL

Desde a estreia na Libertadores do ano passado, os laterais cobrados por Marcos Rocha passaram a ser uma arma conhecida pelos rivais do Atlético-MG, já que o jogador consegue colocar a bola no meio da área, como se fosse um escanteio. Mas diante do Flamengo a arma foi usada como nunca, e desde o primeiro minuto ficou claro que ela ia incomodar muito o sistema defensivo Rubro-Negro.

Leia também:  Brasileira leva ouro em natação e se torna a 1° campeã mundial do país

QUASE GOLAÇO, MAS NÃO FEZ FALTA

Tardelli fez uma jogada espetacular na área do Flamengo, e com Paulo Victor praticamente batido, o atleticano conseguiu acertar a trave. O que seria um golaço virou gol do rival dois minutos depois. Mas para felicidade do atacante e da torcida atleticana, o quase golaço acabou não fazendo falta no final.

JOGO AÉREO DÁ RESULTADO, MAS COM O PÉ DE CARLOS

Eram escanteios, laterais e bolas alçadas na área do Flamengo o tempo todo. O zagueiro Leonardo Silva ganhava quase todas, mas na que acabou passando em branco após um peixinho, a bola caiu no pé de Carlos, que só empurrou para dentro. A esta altura o Galo empatava o jogo e abria caminho para mais uma classificação espetacular.

ENCONTRÃO ENTRE TÉCNICO E JOGADOR

A partida seguia eletrizante dentro de campo, com cada palmo de gramado sendo disputado com muita intensidade entre jogadores de Atlético-MG e Flamengo. Mas as disputas mais ríspidas chegaram também à beirada do campo, quando o atacante Eduardo da Silva acabou trombando com o técnico Levir Culpi. Felizmente ninguém ficou ferido.
MAIS UM GOL DE VELHO CONHECIDO

Leia também:  Falso treinador é preso por pedofilia após prometer vaga em time em troca de 'nudes'

De quase reforço em 2007, Maicosuel se tornou uma verdadeira pedra no sapato do Flamengo desde a não concretização do negócio. Pelo Botafogo ele fez gol e sempre foi um dos jogadores que mais incomodou o Flamengo na época. Agora com a camisa de outro alvinegro, o Atlético-MG, Maicosuel marcou pela segunda vez. O primeiro foi no Brasileirão, na derrota por 2 a 1, e nessa quarta o mais importante, o segundo do Galo na vitória por 4 a 1.

O OUTRO LADO DE DÁTOLO

Se na partida disputada no Maracanã, o argentino Dátolo foi um dos piores em campo, lento, sem criatividade e errando quase tudo que tentou; na partida no Mineirão, o torcedor atleticano viu o outro lado do gringo, com certeza um muito mais atrativo. O meia mostrou qualidade no domínio de bola, levou perigo nas jogadas de bola parada, mas foi decisivo mesmo ao acertar um chute forte, no cantinho de Paulo Victor. Era o terceiro gol do Galo.

Leia também:  Federação e clubes definem detalhes da Copa FMF

XODÓ COROADO

Mais recuado do que na sua posição original, Luan foi realmente uma peça decisiva no esquema de Levir Culpi. Poupado no Rio por causa de dores nas costelas, o xodó da massa atleticana não se poupou em nenhum segundo na partida do Mineirão. Quando os próprios jogadores pareciam não acreditar, ou não ter forças para buscar o resultado, ele seguiu com muita disposição e raça, o que serviu de motivação para os demais. Como no futebol há dessas situações, Luan acabou premiado com o gol da classificação, nos minutos finais da partida.

APITO FINAL, E EMOÇÃO GERAL

Quem olha de fora pode imaginar que esse grupo de jogadores do Atlético-MG se acostumou a reverter quadros que parecem impossíveis. Foi assim diante de Newell’s Old Boys-ARG e Olímpia-PAR, na Libertadores do ano passado, e diante do Corinthians, na Copa do Brasil. Mas depois de mais um 4 a 1, que garantiu vaga na decisão, os jogadores não seguraram as lágrimas. Nem mesmo o técnico Levir escondeu a emoção.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.