Após ver uma reportagem na televisão, uma menina de seis anos de idade, de Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná decidiu doar o cabelo para crianças que são vítimas de câncer. Entretanto, a vontade de Maynná Luiza Obermeier surgiu aos quatros anos de idade, ao viajar para Ivaté, no noroeste do estado, quando conheceu uma jovem de Curitiba que estava com câncer de mama. “Eu decidi doar para fazer outras crianças felizes”, explica a garota. A atitude da menina emocionou os pais dela e também os colegas de escola. Na próxima semana, Maynná irá com os pais aos Correios, para enviar a doação a São Paulo.

Leia também:  Com nova lei trabalhista tempo gasto para tomar café será descontado

Depois de conhecer a moça durante um encontro de família, em 2012, Maynná prometeu deixar o cabelo crescer para doá-lo. “De início, achamos que era promessa de criança, que logo iria passar, mas quando a levávamos ao cabeleireiro, ela não queria cortar o cabelo de jeito nenhum”, afirma Luiz Alberto Obermeier, pai de Maynná.

A mãe da menina, Fabiane Obermeier disse que no começo a família estranhou a decisão de Maynná, mas aos poucos ela convenceu a todos sobre a importância do ato. “Ela sempre foi uma menina meiga, carinhosa e protetora”, revela a mãe.
Segundo o pai, foi após assistir a uma reportagem exibida pela RPC TV no mês de outubro, sobre doação de cabelo para a confecção de perucas para pacientes com câncer, que Maynná decidiu que era hora de também fazer doação.

Leia também:  Garoto de programa é suspeito matar cliente que confessou ter transmitido o vírus HIV

Fabiane lembra que não conseguiu conter as lágrimas ao ver a filha com o cabelo curto. “A Maynná me acalmava falando que iria fazer a alegria de outras crianças”, recorda.

A garota está contente com sua atitude e já planeja uma próxima doação: “Quando meu cabelo crescer vou doar de novo”.

Na escola, a menina recebeu o carinho e a admiração de todos pela sua atitude, como contou Fabiane. Os pais sentem-se orgulhosos da filha, que aos seis anos já pensa em fazer o bem. “Ela quer ajudar o próximo e nos dias de hoje está tão difícil encontrar pessoas que queiram o bem dos outros”, explica a mãe.

CABELERGIA

Fabiane descobriu a página da Cabelegria na internet , em uma rede social e gostou do projeto desenvolvido pela ONG, que recebe doação de qualquer tipo de cabelo, mesmo com tintura ou química e confecciona as perucas de graça.

Leia também:  Trabalhador é morto após ser atropelado e arrastado por 2 Km, motorista não prestou socorro

Hoje a Cabelegria tem mais de 7,5 mil doações de todo o Brasil e de outros países. Mais de 20 perucas foram entregues pela instituição, de acordo com a ONG.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.