A falta de segurança para operários causou o embargo da segunda obra olímpica no período de uma semana. Na manhã desta quarta-feira (12), fiscais do trabalho paralisaram a construção de um trecho da Transoeste, corredor de ônibus da Barra da Tijuca (zona oeste) no Rio de Janeiro – RJ, incluído da lista oficial de obras de legado dos Jogos Olímpicos de 2016.

Na quinta-feira da semana passada (6), fiscais do trabalho já haviam embargado a obra de duplicação do Elevado do Joá. O elevado liga a zona sul do Rio à Barra. Sua reforma também está no plano de legado da Rio-2016.

Em ambos os casos, os fiscais constataram que normas de segurança não estavam sendo respeitadas pelas empreiteiras contratadas pela Prefeitura do Rio para executar as obras. Os projetos foram embargados justamente porque os operários que ali trabalham corriam risco.

Leia também:  Luverdense fica no empate com o Paraná

No Joá, foi constatada falta de proteção contra choque elétrico, de sinalização de advertência noturna e de escadas e rampas em escavações. Também verificou-se a falta de proteção contra queda de operários, que trabalham junto um desfiladeiro à beira-mar.

Na segunda-feira (10), os problemas foram solucionados e a obra foi retomada. A duplicação vai custar R$ 460 milhões aos cofres municipais.

Já Transoeste vai custar R$ 1 bilhão, no total. Parte da obra já foi inaugurada em 2013. O trecho entre o Terminal Alvorada e a Barra, contudo, só deve ficar pronto em 2016. Esse trecho vai custar R$ 91 milhões.

Lá, fiscais viram risco de atropelamento de operários, que trabalham no canteiro central de uma importante avenida do Rio, a Avenida das Américas. Também foi identificada capacidade insuficiente de refeitórios e de equipamentos de proteção, como óculos, coletes reflexivos, touca e máscara. A obra só será liberada após o atendimento de exigências de fiscais do Ministério do Trabalho.

Leia também:  2ª Noitada de Boxe Olímpico acontece em Rondonópolis

Greve no Parque Olímpico

Em abril, operários do Parque Olímpico fizeram uma greve de duas semanas reclamando de más condições de trabalho. Na época, os trabalhadores afirmavam que estavam sendo mal representados pelo Sindicato da Construção e pediam que o Sindicato da Construção Pesada passasse a negociar por eles melhor remuneração e plano de saúde.

Vale lembrar que, durante a preparação do país para a Copa de 2014, operários paralisaram as obras de estádios por 103 dias, segundo o “Dossiê Megaeventos e Violações dos Direitos Humanos no Brasil”, lançado na semana passada.

Só em obras de estádios, dez operários morreram. Em Manaus, quatro operários morreram enquanto trabalhavam na Arena da Amazônia. Já em São Paulo, outros três operários morreram em acidentes no canteiro de obras do Itaquerão.

Leia também:  Internacional pode ser excluído da Série B após denúncias de documentos falsificados

A Prefeitura do Rio de Janeiro foi procurada pelo UOL Esporte para comentar o embargo de duas de suas obras para a Olimpíada. Informou que a paralisação e a segurança dos operários é responsabilidade das construtoras contratadas pelo município para executar os projetos.

A APO (Autoridade Pública Olímpica) é o órgão governamental responsável pela fiscalização e monitoramento de todos os projetos olímpicos. Questionada sobre os embargos, ainda não se pronunciou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.