Além do aumento no preço dos combustíveis, outras propostas de acréscimo de tributos estão surgindo. A nova equipe econômica do governo avalia formas para reequilibrar as contas públicas em 2015, economizando gastos a fim de reduzir a dívida pública.

Entre elas, elevar a alíquota de PIS/Cofins sobre produtos importados e o aumento da tributação sobre cosméticos. As duas medidas podem render, em 2015, R$ 5 bilhões.

Outra forma proposta é mudar a concessão do abono salarial e do seguro-desemprego. No abono, a ideia é transformar em proporcional o pagamento do benefício, o que pode gerar uma economia de até R$ 8 bilhões para a União.

Essas ideias devem ser finalizadas ainda este ano. A sugestão faz parte do pacote elaborado pela equipe de Guido Mantega, entregue a Dilma Rousseff na semana passada e repassado aos futuros ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento).

Leia também:  Crise provocou desemprego maior entre os negros

Os dois novos auxiliares já anunciaram que farão um ajuste suficiente para gerar um superávit primário de 1,2% do PIB em 2015.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.