O carisma não é algo que pode ser construído. Ou você nasce com ele, ou não. E nesse quesito Junior Cigano concorre ao cinturão numa disputa entre todas as categorias juntas. Numa fase não muito boa do MMA brasileiro, onde a perspectiva é de redução drástica do número de grandes nomes representando o país daqui a alguns anos, considerando apenas aqueles capazes de encher ginásio, o peso-pesado catarinense caminha a passos largos para se tornar um dos maiores ídolos das artes marciais mistas no Brasil.

Os maiores nomes da atualidade, como Anderson Silva, Vitor Belfort e Rodrigo Minotauro, estão bem perto de completar 40 anos. Com uma disputa de cinturão marcada para fevereiro, Vitor é um caso à parte, mas é difícil imaginar que ele ainda esteja na ativa daqui a quatro ou cinco anos.

Entre os mais novos, na casa dos 25 anos, o supercampeão dos penas, José Aldo, e Renan Barão já provaram do que são capazes dentro do octógono, mas não conseguem atingir o mesmo patamar de venda e promoção dos três citados acima e do próprio Cigano. Aos 30 anos, o ex-campeão dos pesados já vai para seu sexto evento principal neste sábado, em Phoenix, nos EUA, contra Stipe Miocic, o que prova o valor que ele tem para o UFC.

Com caminho livre pela frente para virar um dos grandes daqui a alguns anos no Brasil, Cigano de fato tem um carisma diferenciado. Mostrou isso mais uma vez no treino aberto realizado no US Arways Center, na quarta-feira, onde interagiu bastante com o público, sorriu e se divertiu no palco e no bate-papo com os jornalistas, distribuiu autógrafos e posou para fotos. A simpatia em pessoa. E, gentilmente, conversou com o Combate.com sobre o assunto.

Leia também:  Brasil dá show em Cuiabá e avança no Grand Prix

– Acho que todo mundo é quem é. Não tem como você tentar ser alguém, pois não consegue manter as aparências diferentes do que você é por muito tempo. Quando a máscara cai, todo mundo vai ver quem você é. Eu gosto do carinho das pessoas comigo, gosto que torçam por mim. Mesmo os que não torcem às vezes também têm carinho, pelo fato de a gente ser lutador e tudo mais, querem estar por perto. Acho excelente. Eles gastarem o tempo deles para vir me ver é muito importante para mim. Tento levar da melhor forma possível. Quando a gente quer uma coisa boa, tem que ser bom. Então, tento ser legal com todo mundo para as pessoas serem legais comigo também (risos) – disse.

Junior Cigano é de longe o lutador mais requisitado para a promoção dos eventos do UFC no Brasil. Vira e mexe ele está no tradicional Q&A, sessão de perguntas e respostas antes da pesagem, e também nas sessões de autógrafos promovidas pela organização. Sem medo, dá para dizer que atingiu o status de ídolo com muita facilidade.

– Tento fazer meu trabalho da melhor forma possível. Adoro o carinho dos fãs, adoro como as pessoas me tratam. E não tenho essa percepção do que é ser um ídolo. Tento ser o melhor para me mostrar merecedor do carinho que elas têm comigo. Ser ídolo é consequência. Não é uma coisa forçada, que você cria.

Por incrível que pareça, Cigano ainda não fez uma luta principal no Brasil. Era para ter acontecido em maio deste ano, mas ele se lesionou, e o duelo contra Stipe Miocic acabou adiado para este sábado, em Phoenix. O catarinense sabe da importância de competir em casa para se estabelecer na posição e não vê a hora de sentir o calor da torcida:

Leia também:  União faz neste sábado primeiro jogo da final do sub-19

– Lutar no Brasil vai ser bem importante, até porque eu também quero sentir aquela energia toda. Toda vez que vou assistir a um evento do UFC no Brasil, nossa, é incrível. Como foi agora no Aldo (UFC Rio 5). A galera gritando, aquela energia toda… Quero ter essa sensação também e espero, sim, estar lutando para a minha galera, gente como eu. E, claro, quero representar da melhor maneira, com um grande vitória.

Alguns episódios onde ídolos do esporte trataram mal um fã já se tornaram públicos, mas isso é coisa inimaginável no mundo de Cigano. Ele inclusive condena quem faz ou já fez isso:

– Quando as pessoas são ignorantes com as outras, desrespeitosas, é porque é parte delas aquilo. De mim isso nunca fez parte. Nunca vou tratar mal alguém se aquela pessoa não me deve nada, ainda mais sendo legal comigo. Nunca vou fazer isso. Já teve momentos onde eu estava apressado, tendo que sair, mas sempre me entenderam numa boa. Eu falava para o pessoal: “Infelizmente não vou poder parar para tirar foto agora porque estou correndo, beleza?”. E sempre entenderam numa boa. Vai mais por esse contato. Se você respeita, você é respeitado.

E, como um bom brasileiro, otimista, Cigano acredita que o cenário do MMA vai mudar em breve para o Brasil, com a reconquista de cinturões e a evolução dos atletas como um todo:

Leia também:  Diretoria do União deve apresentar equipe dia 14

– O MMA brasileiro é muito talentoso e está se renovando a cada momento. A gente está passando por um momento mais complicado, com menos campeões, porque os atletas do mundo todo acabaram evoluindo muito, e a gente ficou um pouco parado porque as estratégias estavam funcionando. Hoje o pessoal está buscando um novo entendimento e procurando melhorar. Acho que em breve a gente vai ter todos os cinturões de volta. Nós chegamos a ter quatro cinturões. Em breve vamos recuperá-los. Porque o brasileiro, além de ser muito guerreiro e acreditar muito, é talentoso. Principalmente os lutadores, pois são pessoas que vêm normalmente de origem humilde, e aquilo é a vida deles. Eles se dedicam totalmente àquilo, como é o meu caso. É a única coisa que faço da vida e é o que amo fazer, porque me deu oportunidades maravilhosas.

O “UFC: Cigano x Miocic” terá transmissão ao vivo do Combate a partir das 18h15 deste sábado (horário de Brasília), e o Combate.com vai acompanhar todos os detalhes em Tempo Real direto de Phoenix. Na sexta-feira, canal e site transmitem a pesagem a partir das 19h50.

UFC: Cigano x Miocic
13 de dezembro de 2014, em Phoenix (EUA)
CARD PRINCIPAL
Peso-pesado: Junior Cigano x Stipe Miocic
Peso-leve: Rafael dos Anjos x Nate Diaz
Peso-pesado: Alistair Overeem x Stefan Struve
Peso-pesado: Gabriel Napão x Matt Mitrione
CARD PRELIMINAR
Peso-mosca: John Moraga x Willie Gates
Peso-palha: Claudia Gadelha x Joanna Jedrzejczyk
Peso-meio-médio: Joe Riggs x Ben Saunders
Peso-leve: Jamie Varner x Drew Dober
Peso-médio: Derek Brunson x Ed Herman
Peso-leve: Bryan Barbarena x Joe Ellenberger
Peso-leve: David Michaud x Garrett Whiteley
Peso-galo: Henry Cejudo x Dustin Kimura
Peso-galo: Anthony Birchak x Ian Entwistle

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.