A Câmara de Cuiabá não encontrará dificuldades para fechar o ano legislativo no azul no que diz respeito às contas de gestão. O presidente da Cada de Leis, vereador Júlio Pinheiro (PTB) conseguiu zerar o déficit de R$ 8,1 milhões deixado pela gestão anterior.

A medida se deu graças ao auxilio do prefeito Mauro Mendes (PSB) que encaminhou ao Legislativo Municipal um projeto de Lei que prevê o parcelamento da dívida previdenciária da Câmara com o Cuiabá-Prev.

A mensagem foi aprovada pelo plenário da Casa de Leis nesta quinta-feira (04). No total, foi parcelado um débito de aproximadamente R$ 1,5 milhão.

“Quero agradecer a sensibilidade do prefeito Mauro Mendes, de ter encaminhado a esta casa o parcelamento da divida previdenciária da Câmara. Esta medida servirá tanto para a Câmara quanto para Prefeitura. Esta medida permitirá que nós fechemos o ano legislativo com as contas zeradas”, pontuou o petebista.

Leia também:  Pátio confirma Argemiro na Gestão de Pessoas

Pinheiro foi eleito presidente do Legislativo Municipal no final do ano passado após a renúncia do então presidente João Emanuel (PSD). Ao assumir o comando da Casa de Leis, o petebista constatou um déficit orçamentário de R$ 8,1 milhões.
Diante disso, optou por adotar uma gestão austera. A primeira medida tomada pelo presidente logo quando assumiu, foi a demissão de todos os servidores comissionados da Casa. Isto possibilitou que o parlamentar honrasse o pagamento do salário de dezembro e décimo terceiro dos funcionários.

Desta forma, para não inchar a máquina novamente, Pinheiro optou por nomear apenas três secretários para o auxiliar na sua gestão. Em contrapartida, aumentou o número de coordenadorias para dar agilidade ao trabalho.
Os coordenadores, por sua vez, possuem uma remuneração inferior a de secretário. A medida trouxe uma economia de mais de R$ 500 mil a Casa de Leis.

Leia também:  Vereadores vão tentar alternativas com diretoria do Sanear

No decorrer do ano, outras medidas também foram adotas pelo petebista. Foi realizada a revisão de contratos, redução de serviços terceirizados, negociação de débitos com fornecedores, entre outros.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.