Na medida em que se aproxima o fim da janela do Pipeline Masters, no sábado, o clima de apreensão aflora em cada um três candidatos ao título. A última das 11 etapas do Circuito Mundial de Surfe (WCT), em Pipeline, no Havaí, foi adiada por quatro dias seguidos por conta das condições ruins, mas tem tudo para ser retomada nesta quinta-feira, com chamada às 15h30 (de Brasília), embora a previsão seja de que um swell (ondulação) atinja a costa norte da ilha de Oahu por volta das 20h. Gabriel Medina pode escrever o seu nome na história como o primeiro brasileiro campeão do mundo já na terceira fase, dependendo dos resultados de seus rivais na luta pelo título, o australiano Mick Fanning e o americano Kelly Slater. Convivendo sob o mesmo teto, Fanning, que busca o seu quarto caneco, diz estar sem pressão.

– Estou relaxado. A experiência vem e você vai aprendendo o que fazer dia após dia. Neste ano, eu não estou sentindo pressão. Dependo do Gabriel nos cenários pelo título. Eu preciso continuar seguindo em frente e esperar que algo aconteça. A pressão me afetava apenas quando eu era mais novo – contou Mick Fanning.

Atual campeão mundial, o australiano de 33 anos que cresceu olhando os pôsteres de Slater na parede de seu quarto tem o ídolo dos tempos de criança como mais um obstáculo na defesa do título. Conhecido como “White Lightning” (na tradução, “Relâmpago Branco”), o vide-líder do ranking mundial rasga elogios a Kelly, mas revela sua inspiração em três surfistas mais jovens: Medina (20), o havaiano John John Florence (22) e o sul-africano Jordy Smith (26).

Leia também:  Mixto, Dom Bosco e Cacerense viram adversários diretos do União na Copa Federação

– Eu não estou só pensando em defender o título. Eu quero o quarto título, e conquistar mais um título é algo que eu sempre penso todos os anos. É só ver o Kelly Slater. Ele é um cara que sempre traz o melhor dele. Até hoje, é uma grande oportunidade enfrentá-lo. O Kelly é fantástico. O John John, o Jordy e o Gabriel me inspiram. Eu também gosto muito de assistir o Julian (Wilson) surfando. Eles são o futuro do esporte. E o Kelly, o Joel (Parkinson) e o Taj (Burrow) são surfistas que me colocam para cima – revelou o aussie.

Se não conquistar o tetracampeonato nas esquerdas de Pipeline ou nas direitas de Backdoor, Fanning disse que não perderá a sua alegria, mas irá apenas adiar o sonho.

– Se eu fizer o meu melhor, já estarei feliz.  Às vezes, você não consegue ganhar o título mundial, mas o mais importante é estar feliz. Se não der, eu vou tentar de novo.
Mick Fanning (Foto: Pedro Gomes / divulgação)Mick Fanning encontra tubo durante a realização da primeira fase do WCT de Pipeline (Foto: Pedro Gomes / divulgação)

No último sábado, a organização do WCT optou por interromper as baterias após a

Leia também:  Após derrota, Luve tem desafio contra o Oeste

segunda fase (repescagem) por conta das condições extremas. O mar estava perigoso, e os atletas sofreram com as quedas sobre a bancada de corais. Foi um festival de “vacas” (caldos) e pranchas quebradas (dez no total). Na ocasião, Slater deu um show nos tubos de Pipeline, mas sentiu dores na costela após levar uma “vaca”. O sul-africano Jordy Smith, por sua vez, precisou abandonar a prova ao deslocar o ombro em uma tentativa de pegar um tubo.

O GloboEsporte.com acompanha a briga pela taça em Tempo Real. Número um do mundo, Medina enfrenta na sexta bateria o havaiano Dusty Payne, líder da Tríplice Coroa Havaiana, após bons resultados em Haleiwa e Sunset. Fanning tem pela frente o francês Jeremy Flores, enquanto Slater mede forças com o brasileiro Alejo Muniz, que luta pela sobrevivência na elite e não pode pensar em derrota.

baterias da terceira fase

1.John John Florence (HAV) x Adam Melling (AUS)
2. Owen Wright (AUS) x Fred Patacchia (HAV)
3. Michel Bourez (TAH) x Matt Wilkinson (AUS)
4. Josh Kerr (AUS) x Jadson André (BRA)
5. Miguel Pupo (BRA) x Filipe Toledo (BRA)
6. Gabriel Medina (BRA) x Dusty Payne (HAV)
7. Kolohe Andino (EUA) x Julian Wilson (AUS)
8. Bede Durbidge (AUS) x Adrian Buchan (AUS)
9. Mick Fanning (AUS) x Jeremy Flores (FRA)
10. Joel Parkinson (AUS) x Sebastien Zietz (HAV)
11. Nat Young (EUA) x Kai Otton (AUS)
12. Kelly Slater (EUA) x Alejo Muniz (BRA)

Leia também:  Aberta as inscrições do Bolsa Atleta pelo Ministério do Esporte

baterias da segunda fase/repescagem

1: Kelly Slater (EUA) 17,00 x Reef McIntosh (HAV) 7,00
2: Michel Bourez (TAH) 5,00  x Makai McNamara (HAV) 3,17
3: Jordy Smith (AFS) 4,30 x Dusty Payne (HAV) 4,30
4: Nat Young (EUA) 8,50 x Mitch Coleborn (AUS) 4,77
5: Miguel Pupo (BRA) 7,17 x Raoni Monteiro (BRA) 4,13
6: Filipe Toledo (BRA) 7,64 x Glenn Hall (IRL) 7,07
7: Adrian Buchan (AUS) 3,47 x Travis Logie (AFS) 1,43
8: Kai Otton (AUS) 7,16 x Brett Simpson (EUA) 6,83
9: Fredrick Patacchia (HAV) 6,90 x Mitch Crews (AUS) 1,57
10: Jadson André (BRA) 12,70 x Tiago Pires (PRT) 2,73
11: Julian Wilson (AUS) 4,50 x Dion Atkinson (AUS) 0,84
12: Matt Wilkinson (AUS) 4,13 x Aritz Aranburu (ESP) 3,24

o que medina precisa para ser campeão mundial

– se for eliminado até a terceira fase => precisa que Kelly Slater não vença a etapa e que Mick Fanning não chegue às semifinais. Se Fanning for eliminado nas quartas, decide o título da temporada numa bateria homem a homem com o brasileiro.
– se for eliminado na quinta fase => Mick Fanning não pode chegar à final;
– se for eliminado nas quartas ou nas semifinais => Mick Fanning não pode vencer a etapa;
– se chegar à final => conquista o título, independentemente da campanha de seus rivais

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.