projeto Red ParkO inquérito civil aberto em setembro deste ano contra o empreendimento Red Park foi arquivado pelo Ministério Público (MP), na última quinta-feira (27). O empreendimento foi alvo de denúncias, entre elas estavam o envolvimento de estelionatário por trás das negociações e problemas ambientais.

Após cerca de dois meses de análises de documentos do empreendimento, o Ministério Público constatou que não foi encontrada nenhuma irregularidade grave que levasse a abertura de um processo, motivo que fez com que o órgão arquivasse o inquérito.

O MP fez apenas algumas recomendações que ficaram firmadas após um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que solicita, por exemplo, que o empreendimento cumpra fielmente o projeto exposto e aprovado pela SEMA e pelo município, que informe aos clientes o total de unidades e cotas que serão comercializadas e que não haja nenhuma obra ou intervenção nas Área de Preservação Permanente (APP).

Leia também:  Prefeitura oferece linhas de financiamento para microempreendedores

O diretor do Red Park, Osmair Ribeiro de Freitas, afirmou a reportagem do AGORA MT  que foi informado na sexta-feira (28) sobre o arquivamento e que já esperava que isso acontecesse, pois sabe que o empreendimento é um investimento sério e que está com tudo dentro da lei.

“Essa é uma ideia nova de empreendimento, é algo diferenciado, por isso acredito que pouca gente entendeu, mas é algo que já existe há mais de 40 anos em vários países e que funciona muito bem”, explica o diretor.

De acordo com Freitas vários órgãos analisaram os documentos do Red Park e que nada foi encontrado. “As denúncias foram evasivas e provamos isso com documentos, o empreendimento será executado dentro da lei. Estávamos apenas aguardando a decisão da Justiça e agora com o arquivamento estaremos em breve reformulando e voltando aos trabalhos “, alega.

Leia também:  Inscrições para 6ª Corrida ACIR Rondon estão abertas

TIME SHARING

O empreendimento Red Park será pioneiro ao utilizar o modo time-sharing em Rondonópolis que é uma maneira inovadora no ramo imobiliário. Ao efetuar um contrato de time-sharing, o cliente ganha o direito de ocupar um local de férias equipado todos os anos, durante uma ou mais semanas definidas. Este direito é adquirido sob a condição de partilha com outras pessoas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.