Após mais de 16 horas de confinamento, a polícia australiana entrou na cafeteria Lindt Chocolat, em Sydney, e liberou parte dos reféns. Conforme a rede australiana Canal 7, há dois mortos e cinco feridos — três em estado grave. Os mortos seriam o sequestrador e um dos reféns. Autoridades ainda não confirmam a informação, nem a quantidade de pessoas que foram mantidas reféns.
A invasão policial no estabelecimento localizado em Martin Place, no centro financeiro da cidade, ocorreu pouco depois das 2h da madrugada (horário local), logo após barulhos de tiros na cafeteria.

A polícia indicou que o autor do sequestro é um refugiado iraniano que está em liberdade sob fiança. Segundo a imprensa australiana, o suspeito foi identificado como Man Haron Monis, homem de 49 anos que se apresenta como um pregador do Estado Islâmico (EI) e que está em liberdade sob fiança, acusado de cumplicidade no homicídio da ex-mulher.

Leia também:  Grupo de pessoas são atacadas com serra elétrica e ficam gravemente feridas na Suíça

O sequestrador também foi acusado neste ano de ter agredido sexualmente uma mulher em 2002 e de outros 40 crimes de agressão. Monis nasceu no Irã com o nome Manteghi Bourjerdi e chegou à Austrália em 1996, adotando o nome de Man Haron Monis. No passado, ele participou de protestos contra a presença das tropas australianas no Afeganistão e enviou cartas de ódio às famílias de soldados australianos mortos em conflitos no Exterior.

Entre os reféns estava a brasileira Marcia Mikhael, que vive há 20 anos em Sydney. Conforme a família de Marcia, a brasileira teve ferimentos no pé e passa bem.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.