Passar o Réveillon com roupa nova é um dos hábitos mais tradicionais e preferidos dos brasileiros, mas neste ano menos pessoas devem comprar alguma peça nova para vestir nas celebrações de Ano Novo. De acordo com um levantamento realizado em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 60% dos consumidores têm a intenção de comprar roupa nova para comemorar a chegada de 2015. No ano passado o percentual era de 74%.

Para os especialistas do SPC Brasil, o cenário econômico de baixo crescimento, juros elevados e inflação corroendo o poder de compra são fatores que pensam na disposição do brasileiro em gastar mais neste fim de ano. Para a Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande, responsável pelo SPC em Mato Grosso do Sul, o resultado não é uma surpresa pois apresar da queda nas vendas o comércio está buscando se recuperar e os empresários estão driblando as dificuldades. “É exatamente isso que precisa ser feito. O empresário tem que encontrar uma saída para manter seu negócio vivo e a criatividade está fazendo a diferença neste cenário econômico que não é muito favorável”, diz Ricardo Kuninari, presidente da CDL-CG.

Leia também:  Confira as vagas de emprego desta segunda (27/11/17) em Rondonópolis

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, chama a atenção, contudo, para o fato de que embora o percentual tenha diminuído, prevalece entre a maior parte dos brasileiros a intenção de passar a virada de ano com roupa nova. “Além dos motivos sociais e da superstição que envolvem o hábito de comprar roupa nova, a injeção de capital extra na economia por meio do pagamento da segunda parcela do 13º salário é um fator fundamental para manter a tradição viva”, afirma a economista.

Réveillon em casa ou viajando?

A pesquisa do SPC Brasil também procurou identificar onde o brasileiro iria passar a virada do ano. De acordo com o estudo, 36% dos entrevistados pretendem passar o Réveillon em casa, contra 13% que têm a intenção de viajar. Outros 26% devem também comemorar o ano novo em ambiente familiar, como na casa de parentes (12%), dos pais (7%) ou na de amigos (7%).

Leia também:  Primavera | Geração de empregos formais fecha setembro com saldo positivo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.