O diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Reiver Barros, disse nesta quarta-feira (7), que os três bancos públicos – BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal (CE) – devem emprestar cerca de R$ 2,5 bilhões para socorrer as distribuidoras de energia.

No final da tarde desta quarta, ocorreu uma reunião na sede do Ministério de Minas e Energia, em Brasília, envolvendo o ministro da pasta, Eduardo Braga, e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para tratar deste assunto. Ao final da conversa, por volta das 21h, Levy, disse a jornalistas que o empréstimo dos bancos públicos ainda está sendo avaliado e que, portanto, não há definição sobre o socorro às distribuidoras.

Leia também:  Entidade diz que aumento de tributos prejudica competitividade do etanol

Esse valor se soma aos outros R$ 17,8 bilhões tomados de bancos no ano passado mas que não foram suficientes para cobrir todos os gastos extras das distribuidoras com o aumento do custo de produção da energia.

De acordo com Barros, cerca de R$ 1,5 bilhão deverão ser usados para cobrir os gastos extras do mês de novembro, que devem ser pagos neste mês de janeiro. Outros cerca de R$ 1 bilhão vão quitar débitos referentes a dezembro, que só vencerão em fevereiro. De acordo com a regra do setor, esses pagamentos são sempre feitos dois meses depois.

Entenda o caso
As distribuidoras de energia tiveram gastos extras em 2014, resultado da falta de chuvas e consequente queda acentuada do nível dos reservatórios das principais hidrelétricas, que obrigou o país a ampliar o uso de energia gerada pelas termelétricas, que é mais cara. Além disso, essa situação provocou a disparada no preço da energia no mercado à vista, onde distribuidoras precisam recorrer para obter parte da eletricidade para atender aos seus clientes.

Leia também:  Receita Federal libera amanhã (8) consultas ao 3º lote do IR de 2017

Isso tudo gerou uma contra extra bilionária para as distribuidoras, que alegaram não ter recursos suficientes para fazer frente a ela. Por isso em março o governo anunciou que faria um empréstimo bancário, no valor de R$ 8 bilhões, para socorrê-las. A medida também evitou reajustes ainda maiores nas contas de luz em 2014.

Depois, o governo anunciou que o empréstimo seria de R$ 11,2 bilhões e, como o valor se mostrou insuficiente, fez em agosto uma segunda captação junto aos bancos, que elevou o total do socorro para R$ 17,8 bilhões.

O empréstimo cedido às distribuidoras será pago pelos consumidores brasileiros, via reajustes mais altos nas contas de luz entre 2015 e 2017.

Leia também:  Juros do rotativo do cartão de crédito caem para 363% ao ano

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.