Felipe, o menor e Katriel - Foto: PM
Felipe, o menor e Katriel – Foto: PM

Em entrevista coletiva realizada no fim da tarde desta sexta-feira (09), no 5º Batalhão de Polícia Militar (PM) em Rondonópolis, o tenente coronel Joselito, juntamente com o major Handson explicou para a imprensa como foi a prisão de Felipe Marques de Almeida, 20 anos, Katriel de Lima 19 anos e a apreensão do menor F.D.R.P. 17 anos, suspeitos de participação no homicídio do 3º sargento da PM Aelson Alves de Souza, 49 anos, assassinado dia 15 de dezembro do ano passado, enquanto retornava para casa fardado após um dia de expediente. (Leia Aqui). De acordo com os policiais, o serviço de inteligência da PM já estava investigando os suspeitos há 15 dias.

Leia também:  Mula se assusta e derruba jovem armado em cima de viatura durante cavalgada

Conforme explicou o major Handson, desde o 1º dia após o homicídio, o serviço de inteligência da PM, em parceria com a PJC já começou a investigar os possíveis suspeitos.

“No decorrer do tempo, durante diligências chegamos ao nome deles. Já estávamos os investigando ha cerca de 15 dias no intuito de saber o paradeiro deles até que o Felipe e o menor foram detidos em Itiquira por tráfico de entorpecente”, argumenta Handson.

Após isso os policiais foram até a comarca de Itiquira para tomar depoimento dos suspeitos que bateram com as informações da investigação, entretanto eles negam autoria própria. “Um acusa o outro”, afirmou Handson.

Ainda assim, uma outra equipe foi até a casa de Katriel, que segundo a PM é responsável por dar abrigo aos suspeitos.

Leia também:  Investigadores prendem acusado de manter vítima em 'boca de fumo'
Major Handson fala sobre o caso - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Major Handson fala sobre o caso – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

“Lá nós encontramos uma arma de fogo que não é a utilizada no crime. Em depoimento Katriel confirmou que Felipe e o menor tinham assassinado o policial e que eles chegaram na residência dizendo que tinha feito uma besteira”, contou Handson durante a coletiva.

A causa do crime foi confirmada pelos policiais. De acordo com a PM, no dia, os dois estavam sob efeito de drogas, onde o menor que pilotava a motocicleta teria ‘instigado’ Felipe a atirar no PM, apenas para ganhar status de ‘vida louca’.

Felipe e o menor serão acusados de homicídio qualificado e Katriel por participação no homicídio e porte ilegal de arma de fogo.

ANTECEDENTES
Conforme divulgado pela PM, Felipe Marques de Almeida e o menor possuem passagem pela polícia.

Leia também:  Com ciúmes da ex-namorada, homem invade hospital e esfaqueia paciente em MT

Sendo que em um dos casos, Felipe tentou assaltar um comerciante no Jardim Adriana e acabou baleado. Na ação a vítima tomou o revólver de Felipe e atirou.

Fato que o deixou com sequelas segundo o major Handson. “Ele manca por isso”, diz.

LISTA DE MORTE DE POLICIAIS

Joselito explica que ligações foram para 'desviar o foco' - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Joselito explica que ligações foram para ‘desviar o foco’ – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

O tenente coronel Joselito descartou a possibilidade de ‘lista de morte de policiais’ fato divulgado após a morte.

“Realmente recebemos uma ligação com ameaças, porém fizeram isso com intuito de desviar o foco da inteligência”, disse ele.

Contudo, de acordo com Joselito, a origem das ligações continua sendo investigada.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.