A conclusão da obra está entre as prioridades do governo estadual e deverá ter sua primeira etapa entregue em junho de 2016. “A saúde é uma prioridade da nossa gestão. Há muito tempo essa obra está paralisada e agora já estamos analisando o projeto do hospital e em breve lançaremos a obra”, afirmou o governador.

A obra foi lançada em 1984 e paralisada em 1987. Foi retomada em 1991 e depois paralisada novamente. Em 2003, Pedro Taques, à época procurador da República, entrou com uma ação na Justiça para que as obras fossem retomadas e a Justiça determinou que o estado concluísse o hospital. Agora, coube ao governador Pedro Taques, como chefe do Executivo estadual, retomar o projeto e concluir a obra.

O Procurador da República Ronaldo Queiroz participou de uma reunião com o governador e com os dois secretários para tratar do lançamento do projeto do Centro Materno Infantil já que cabe ao MPF a responsabilidade de fiscalizar o cumprimento da decisão. “Vi o projeto e percebi que esta é uma das prioridades do governador Pedro Taques. Agora, com o projeto em mãos, é apenas uma questão de execução”.

Leia também:  Lideranças comunitárias participam de qualificação em Rondonópolis

Segundo o secretário Marco Bertúlio, o governo estuda firmar uma parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para que a institução faça a gestão dos serviços da unidade hospitalar. “Será um hospital de referência e que atenderá exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde. A proposta do hospital está contextualizada dentro das necessidades da população de Mato Grosso e será a coroação de toda uma ação do Estado”, afirmou o secretário de Saúde.

Serviços
O Centro Materno Infantil de Mato Grosso está sendo planejado por uma equipe multidisciplinar, atendendo às normas para atenção humanizada ao parto e nascimento, à mulher e à criança. A unidade de grande porte está localizada no Centro Político Administrativo e assumirá a internação Materno Infantil da Baixada Cuiabana. O objetivo é que o hospital se torne um espaço de assistência humanizada e interdisciplinar.

Leia também:  “Estão brincando com a cara do cidadão de Rondonópolis” diz Thiago Muniz sobre paralisação dos serviços da Santa Casa

De acordo com o secretário de Cidades, Eduardo Chiletto, a previsão é que em junho de 2016 sejam entregues os Blocos C e D, que terão 34 ambulatórios de especialidades, 12 leitos para gestantes e 10 leitos para crianças. O projeto prevê que em junho de 2017 devem ser inaugurados os blocos A, B e E, destinados respectivamente ao diagnóstico, internação e administração. Para esta data está prevista ainda a conclusão da recepção geral do hospital.

A previsão é que do total de 200 leitos, 20 leitos serão destinados à UTI neonatal e 10 à UTI pediátrica; 10 leitos serão de UTI adulto, 10 leitos de enfermaria mãe-canguru, 42 leitos de enfermaria pediátrica, 40 leitos de ginecologia e obstetrícia, 38 leitos de internação em alojamento conjunto (gineco-obstétrico). Também deve ser construído um pronto atendimento com 12 leitos, um pronto-socorro pediátrico com 10 leitos de observação e um centro obstétrico para atendimento diferenciado ao parto com 13 leitos.

Leia também:  Sachetti deve migrar para o DEM com missão de não ser mais um "fila do pão"
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.