Campeão meio-pesado do UFC, Jon Jones concedeu uma longa entrevista ao programa americano “Fox Sports Live” para falar sobre o fato de ter testado positivo para uso de cocaína em um exame antidoping surpresa ao qual se submeteu no dia 04 de dezembro.

Duante o seu depoimento, o lutador enfatizou que não é viciado em cocaína e afirmou que fez uso da droga em uma festa. Ele também declarou que sabia que o exame daria positivo e temeu, inclusive, ser retirado do duelo contra Daniel Cormier por conta disso.

– Foi um dia de ataque de nervos. Eu sabia que tinha feito algo errado e que o teste mostraria isso, mas eu não falei para ninguém. Apenas o meu tio sabia que eu poderia testar positivo. Mantive tudo em segredo. Claro que passou pela minha cabeça que eu poderia ser suspenso ou que poderia não lutar, mas quando eu cheguei até a pesagem, percebi que ninguém tinha falado nada a respeito e que o teste talvez não tivesse dado positivo – declarou.

“Bones” contou que não foi a primeira vez que fez uso da droga, mas ressaltou que nunca passou por nenhum tipo de problema relacionado ao vício:

–  Eu definitivamente não tenho uma desculpa, não estou aqui para inventar desculpas para o que aconteceu. Basicamente estava em uma festa (…) Eu não vou colocar a culpa nos meus amigos, em nada, nem ninguém, mas eu vou dizer que eu estraguei tudo. Não posso chamar isso de erro porque eu o cometi conscientemente. Já usei cocaína antes, cheguei a usar algumas vezes durante a faculdade. Mas foi basicamente isso. Usei na época da faculdade, mas isso nunca foi um problema. Não tenho problema, sei que não tenho. Meus amigos, meu time, meus amigos próximos, todo mundo sabe que não há espaço na minha vida para vício em cocaína.

Leia também:  Com vitória de Grêmio, Renato Gaúcho se torna o 1° brasileiro a vencer as Libertadores como jogador e técnico

Questionado sobre a decisão de se internar em uma clínica de reabilitação assim que o resultado de seu teste se tornou público, Jones revelou que, apesar de sua mãe ter dito que ele só passou uma noite no local, ainda continua se submentedo ao tratamento e a testes surpresas semanais.

– Ir para a clínica de reabilitação foi uma decisão coletiva . Alguns dos meus parceiros de negócio acharam que seria uma boa ideia, mas eu disse a eles: “Eu não tenho problemas com drogas, eu só fui pego”. Eles disseram que não sabiam se eu tinha problema com drogas ou não, mas que eu deveria ir para a clínica e deixar os médicos decidirem quão saudável eu estava, e eu aceitei. Então, eu fui para a clínica e fiz uma avaliação durante 24 horas, falei com três médicos por cerca de  sete horas e nós falamos sobre drogas, minha vida e eles decidiram que eu não precisava me internar.  Aí, eles me colocaram em uma casa para pacientes que não eram viciados, eu fiquei lá e esses profissionais chegaram para mim e disseram: “Jones, nós acreditamos que você cometeu um grande erro, mas você não precisa viver aqui conosco o tempo todo. No entanto, nós vamos continuar testando você, vamos até a sua casa duas vezes por semana, vamos testá-lo frequentemente. E eles ainda estão me testando semanalmente. As sessões vão continuar por uma, duas, três vezes por semana. Eu não sei como é o processo, até mesmo por conta do programa em que me colocaram. Mas quando fui para a clínica de reabilitação, eu fiquei lá pelo tempo que eu precisava ficar.

Leia também:  Cuiabá vence e se classifica para grande final

O exame realizado em 4 de dezembro apontou a presença de benzoilecgonina, principal metabólico da cocaína, no organismo de Jones; todavia, a substância só aparece na lista de itens proibidos da Agência Mundial Antidoping (Wada) durante o período de competição, considerado como até 12 horas antes do início da disputa – no caso, da luta. Como o teste foi feito fora desse período, a Comissão Atlética do Estado de Nevada não puniu o lutador. Jonesse mostrou irritado com o fato de o exame antidoping ter vindo a público, mas evitou comentar mas a fundo.

– Eu não sei o motivo de o meu teste ter vindo a público. Há muitas perguntas que eu, meu time e os meus advogados estamos tentando responder. Nesse momento, não vou comentar se vou ou não processar a Comissão.

Leia também:  FMF confirma participação na Copa do Brasil de Seleções Estaduais Sub-20 da CBF

O lutador declarou que, apesar de ter desapontado a família e os amigos, está recebendo todo o apoio que precisa. Ele também fez um pedido público de desculpas aos fãs.

–  Minha mensagem para os meus fãs é: desculpe por talvez tê-los desapontado. Eu desapontei a mim mesmo, desapontei o meu time, a minha família, o UFC… isso é um pedido de desculpas sincero. Eu também estou tentando entender quem eu sou. Como todo mundo,  também tenho os meus problemas para lidar, tenho as minhas inseguranças e a minha vida, assim como você. A melhor coisa que eu posso tirar disso tudo é continuar vencendo, não deixar essas coisas acontecerem de novo e aprender. Isso não é uma derrota se você aprender com ela. Eu não vou sentar aqui e dizer que nunca mais vou beber ou aproveitar a vida. Acho que há muita gente que entende isso. O importante é aprender quando a gente cai, não ser muito duro com você mesmo e tentar fazer as coisas da melhor forma possível – finalizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.