Em dezembro passado, Robbie Lawler sagrou-se campeão peso-meio-médio do UFC, após uma batalha de cinco rounds contra Johny Hendricks na luta principal do UFC 181, em Las Vegas (EUA). Um mês após a conquista, o lutador ainda não conseguiu digerir tudo o que aconteceu na noite do dia 6 de dezembro, mas afirma que amadureceu tanto como profissional e como pessoa, que não tinha como não aproveitar a segunda chance de fazer história no Ultimate:

– É maravilhoso! Eu acreditei em mim mesmo esse tempo todo, mas, às vezes, somente acreditar em você não faz as coisas acontecerem. Você precisa estar no lugar certo, na hora certa e, por alguma razão, tudo mudou na minha vida nos últimos dois anos. Eu me mudei para a American Top Team e passei a aproveitar mais o esporte. Gosto de lutar, gosto de entrar lá, gosto de treinar e a minha volta ao UFC foi algo muito grande. Pela primeira vez na minha carreira eu estava pronto para os holofotes. Se fosse há três anos, eu não estaria aqui, falando com a imprensa agora. Hoje eu acho que estou pronto para fazer tudo o que é necessário para ser o campeão do UFC. Amadureci como pessoa e como lutador. Tem sido muito bom, mas eu não mudei muita coisa desde que venci. Estou seguindo em frente e agindo como se nada tivesse mudado – declarou, durante uma conversa com os jornalistas nos bastidores do UFC 182, no último fim de semana.

Leia também:  Rodada "madrasta" coloca Luve de volta ao Z-4

Na primeira vez que foi contratado pelo Ultimate, em 2002, Lawler teve passagem irregular pela organização. Demitido do evento depois de perder duas lutas seguidas para Nick Diaz e Evan Tanner, ele se aventurou por outras competições até ser contratado pelo Strikeforce, em 2009, onde, das oito lutas que disputou, venceu apenas cinco.

Desde que reestreou no Ultimate, em novembro de 2013, o agora campeão meio-médio derrotou grandes nomes da divisão, como Rory MacDonald, Josh Koscheck, Matt Brown e Jake Ellenberger. A sua única derrota em sete combates foi para Johny Hendricks, na primeira disputa pelo cinturão vago deixado por Georges St-Pierre, que aconteceu em março passado.

Leia também:  Derrota diante do Dom Bosco gerou prejuízo financeiro ao União

E é justamente contra Hendricks que Lawler fará a sua primeira defesa de título, com data e local ainda a serem definidos. Mas “Ruthless” (que em português significa implacável) não está muito entusiasmado em fazer a trilogia contra o agora ex-algoz.

– Eu não estou muito empolgado com esse duelo, obviamente, mas será uma boa luta e vou estar pronto. Eu não me preocupo muito com essas coisas (se Johny merece ou não a trilogia agora). Ele é apenas o próximo que eu vou enfrentar. Prefiro seguir em frente e não me preocupar com as coisas que eu não posso controlar. Eu só posso me preocupar com as coisas que sei que tenho controle, em como eu treino, como vou deixar o meu corpo pronto para uma luta e esse tipo de coisa. O resto eu prefiro deixar para lá.

Leia também:  MT fatura ouro e prata na luta olímpica dos Jogos Escolares

O atleta da American Top Team achou o segundo embate contra Hendricks bem parecido com o primeiro e ressaltou que, apesar de ainda não saber a data de seu terceiro encontro com o rival, deve voltar a treinar 100% apenas em fevereiro. Por ora, ele só quer saber de curtir a família.

– Estou empolgado para voltar a treinar, mas precisava descansar. Tive um ano muito difícil, com várias lutas seguidas, então meus treinadores queriam que eu descansasse um pouco. Tem sido meio difícil, porque eu não sei como relaxar, tenho treinado todos os dias e até fevereiro eu devo estar treinando 100% novamente – prometeu.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.