A Petrobras entendeu que, em nenhum momento, a manifestação do Ministério Público Federal (MPF) que levou à prisão preventiva de Nestor Cerveró ontem (14) afirma que os atuais diretores da companhia receberam propina. Em nota, a empresa destacou que Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, investigados na Operação Lava Jato, “são ex-diretores da companhia, e não diretores”.

De acordo com a empresa, na manifestação do MPF, de 31 de dezembro de 2014, os procuradores da República afirmam que “Paulo Roberto recebeu pagamentos de propina mesmo em 2014, pois as empresas pagam ao longo da execução de contratos, e não raro atrasam pagamentos, conforme se apurou”.

Segundo a Petrobras, ainda na manifestação, o MPF conclui que, “se Paulo Roberto continuou recebendo propina, e muita, até 2014, mesmo tendo deixado a diretoria em 2012, é razoável inferir, num juízo de probabilidade, que Cerveró esteja em posição semelhante, o que está sob investigação”.

Leia também:  Força Tática de Rondonópolis recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal

A nota termina com a análise de que a Petrobras tem sido reconhecida como vítima, pelo Poder Judiciário, e reitera que manterá seu empenho em continuar colaborando efetivamente com as autoridades para a elucidação dos fatos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.