cafePor que a gente ama?
A gente adora mesmo café: nós, mulheres, somos 54% do mercado consumidor brasileiro (o segundo maior do mundo), de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic). E a bebida, na medida certa, faz bem. A cafeína, seu principal ativo, estimula o sistema nervoso, ou seja, faz o cérebro ficar ligado. “Cientistas provaram que ela provoca a liberação de dopamina, substância que nos deixa mais alertas e produtivos física e mentalmente”, diz Murray Carpenter, autor de Caffeinated: How Our Daily Habit Helps, Hurts and Hooks Us (“Cafeinados: como nosso hábito diário ajuda, prejudica e vicia”, em tradução livre).

E, de acordo com estudo da Universidade Harvard, nos EUA, quem bebe ao menos duas doses de café por dia tem 20% menos risco de derrame cerebral. Fica a dica também para as irritadinhas: o expresso também pode melhorar o humor (por um tempo, mas já ajuda, né?). “Em alguns casos, a cafeína é usada como antidepressivo leve”, diz a especialista em nutrição médica Ana Luisa Vilela, da clínica Slim Form, em São Paulo.

Leia também:  Um jeito inesperado de prevenir a endometriose

CaféQuanto posso tomar?
Para começar a sentir os efeitos da cafeína, basta ingerir cerca de 30 mg dela (menos de uma xícara de café). Mas isso varia de acordo com sua sensibilidade ao ativo – a colega de trabalho talvez precise de mais xícaras do que você para despertar. Genética, tamanho, peso e ser ou não fumante são fatores que influenciam nisso. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um adulto saudável pode ingerir até 400 mg de cafeína por dia sem prejuízo à saúde, o que equivale a quatro ou cinco xícaras de café.

Mas não vale para todos. Mulheres grávidas, por exemplo, não devem ultrapassar 200 mg por dia. Estudos ligam alto consumo de cafeína a maior risco de aborto ou de ter um bebê abaixo do peso ideal. Quem toma pílula também deve ficar alerta, já que os hormônios ingeridos fazem a cafeína ser metabolizada de maneira diferente, aí seu efeito fica mais intenso. Para quem sofre de refluxo ou gastrite, o ativo tem restrições: “A cafeína pode irritar ainda mais a mucosa do estômago”, afirma a nutróloga Leila Loutfi, de Guarulhos (SP).

Leia também:  Eu posso escrever o final da minha história

Foto: Varlei Cordova / AGORA MTE se eu exagerar?
Talvez passe a noite sem pregar os olhos. Perder a conta dos expressos ainda causa irritabilidade – até tremores. Por isso, quem é agitado, tipo ligado no 220, deve evitar o café, principalmente nesta época em que o excesso de compromissos já desperta a ansiosa que mora em você. “A cafeína causa a liberação de adrenalina, que deixa a pessoa mais agitada e acelera os batimentos”, diz.

Por isso, quem tem tendência a arritmia cardíaca deve tomar cuidado extra. E fique atenta se a falta da bebida causar incômodo físico ou ansiedade. “A cafeína é um potente estimulante do sistema nervoso e pode, sim, levar à dependência”, diz Ana Luisa. Isso acontece mais com quem consome muito café todo dia. Aí, na falta da bebida, o corpo reclama e dá sinais de abstinência, que podem chegar a dor de cabeça, náusea e vômito. Melhor segurar a onda e terminar 2014 com um pé só no acelerador, não os dois, né?
cafeinaQual a quantidade de cafeína que tem aqui?

Leia também:  Quando remédio e exame fazem mal: conheça a prevenção quaternária

· Café grande, estilo Starbucks, (473 ml): 260 mg

· Café coado (200 ml): 80 a 130 mg

· Café expresso (1 xícara): 100 mg

· Refrigerante de cola (1 lata): 34 mg

· Energético (1 lata): 80 mg

· Chá gelado (1 copo): 70 mg

· Chá preto (um sachê): 60 mg

· Guaraná em pó (1 g): 44 mg

· Chocolate amargo (170 g): 31 mg

· Chocolate ao leite (170 g): 10 mg

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.