Aluna recebendo orientação da fisioterapeuta no trapézio - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Aluna recebendo orientação da fisioterapeuta no trapézio – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Cada vez mais ganhando adeptos em academias e em estúdio, o pilates é um método de condicionamento físico e mental e foi criado pelo alemão Joseph Humbertus Pilates (1880-1967). A modalidade melhora a postura, o equilíbrio, a flexibilidade, a respiração, coordenação motora, fortalecimento do abdômen, entre outros benefícios. Os movimentos proporcionam o alongamento e a fortificação do corpo de forma integrada.

Existem dois tipos distintos de praticar o pilates, sendo uma forma no solo onde são utilizados bolas, faixas, rolos, pesinhos, molas e o preso do próprio corpo e a outra é com os aparelhos específicos.

Para a fisioterapeuta Karla Fernanda Barrios, 33 anos, que trabalha na área há 10 anos, a maioria dos pacientes ainda buscam a modalidade por recomendação médica. “A gente recebe muitas pessoas que tem problemas com a coluna e com o joelho.”

Leia também:  O coração do brasileiro está em risco. Vamos mudar isso?
Fiosterapeuta, Karla Fernanda Barrios, - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Fiosterapeuta, Karla Fernanda Barrios, – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Não existe faixa etária para praticar o pilates. “É uma atividade que não tem impacto é indicada desde criança ao idoso,” ressalta a fisioterapeuta.

O pilates que surgiu como uma alternativa no mundo fitness caiu no gosto de milhares de pessoas e inclusive foi adotado por várias celebridades como Madonna e Demi Moore. Para a fisioterapeuta, Karla Fernanda Barrios, o segredo do pilates ter conquistado milhares de pessoas está no fato na variedade de exercícios e no baixo impacto causado pela atividade aos praticantes.

“É uma atividade completa, o fato dele não ter impacto possibilita qualquer pessoa fazer. As pessoas têm gostado porque ela pode relaxar, nós trabalhamos bastante a respiração, eu vejo que as pessoas têm buscado o pilates para melhorar a condição de vida. Pessoas relatam que dormem melhor alivia o estresse, isso tem colaborado por essa procura, os exercícios não são repetitivos, assim não é monótono,” relata a profissional.

Leia também:  Quase um pâncreas: nova tecnologia promete ajudar os diabéticos

A indicação da fisioterapeuta é que o aluno faça uma alimentação leve antes de praticar a modalidade. Outra recomendação é o praticante associe o pilates a outra atividade física.

Sandra Caallas, praticante de pilates há 4 anos - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Sandra Caallas, praticante de pilates há 4 anos – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Para a aposentada Sandra Caallas, 57 anos, que descobriu o pilates há 4 anos através de uma reportagem, disse que começou a praticar a modalidade porque sentir dores na coluna. O fato de trabalhar a respiração e o equilíbrio foram outros fatores que conquistaram a aposentada. “Melhora muito, as dores melhoram, você tem mais disposição, acorda mais animado, tem uma melhor qualidade de vida,” declarou Sandra Caallas.

De acordo com a fisioterapeuta Karla Barrios, o aluno faz entre duas a três aulas por semana, sendo cada uma de 55 minutos e podem ser feitas individualmente ou em dupla.  O valor das aulas mensalmente é de R$ 250 a R$ 300.

Leia também:  Comer quando você deveria estar dormindo engorda ainda mais!

É importante ressaltar que todo praticante de pilates tenha acompanhamento de profissionais especializados.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.