Após três dias internado no Hospital Geral da Catalunha, em Barcelona, para se recuperar de acidente com a McLaren, Fernando Alonso recebeu alta nesta quarta-feira e vai descansar por alguns dias em sua residência, em Oviedo, no Principado de Astúrias. O caso despertou apreensão no circo da Fórmula 1, mas os médicos responsáveis por acompanhar o espanhol garantem que ele não sofreu nenhuma lesão grave no impacto com o muro.

O problema, segundo o empresário do bicampeão mundial, Luís García Abad, foi um trauma angular inercial no pescoço. Apesar de ter ocorrido em baixa velocidade (cerca de 150km/h), o impacto foi suficiente para causar uma pequena lesão no pescoço do espanhol. Como consequência, ele sofreu dores de cabeça, vômito e mal estar.

Leia também:  Federação realiza arbitral após desistências em série

Fã de automobilismo e frequentemente procurado pela imprensa para comentar acidentes com pilotos, o neurocirurgião Dr. Nicola Acciari acredita que o episódio poderia ter um desfecho ainda pior. Chefe do Hospital Bellaria, em Bolonha, na Itália, o médico declarou à revista “Omnicorse” que o espanhol foi salvo pelos dispositivos de segurança existentes nos carros da categoria.

– Um impacto que excede 15 vezes a força da gravidade é sempre violento, embora não tenha sido visualmente dramático. O ângulo de impacto da McLaren no muro sugere que o piloto tenha sofrido um movimento abrupto da cabeça e do pescoço. Além disso, a cabeça do piloto tem o peso ampliado pelo próprio capacete, e o colar de proteção nem sempre é eficaz.

Leia também:  MT fatura ouro e prata na luta olímpica dos Jogos Escolares

Acciari respaldou a decisão da McLaren em dispensar o piloto dos próximos testes da pré-temporada, que começam nesta quinta-feira em Barcelona. Segundo o especialista, é necessário que Alonso continue repousando para que esteja completamente recuperado a tempo da prova de abertura da temporada, na Austrália, no dia 15 de março.

– Se eu fosse o médico pessoal de Alonso ou da FIA, seria categórico para que ele não pilotasse neste teste. Mesmo que não tenha havido sequelas, há riscos que podem afetar o piloto e sua saúde, assim como os demais competidores. E creio que também seja necessário repetir os exames radiológicos após 15 dias do acidente – afirmou.

Leia também:  Árbitros de Mato Grosso participam de curso promovido pela CBF

A partir desta quinta-feira, a McLaren estará representada apenas por Jenson Button e o reserva Kevin Magnussen nos testes de Barcelona, enquanto Alonso dá continuidade à sua recuperação.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.