Caminhoneiros que realizavam o bloqueio da BR-364, em Cuiabá, na saída para Rondonópolis liberaram o trecho da rodovia na manhã desta sexta-feira (27). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o desbloqueio ocorreu de forma pacífica, antes mesmo dos caminhoneiros serem notificados da liminar expedida pela 3ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso. O protesto da categoria em Mato Grosso já dura 10 dias.

Apesar da liberação neste ponto da BR-364, nove trechos das BRs 163, 364 e 070, em Rondonópolis, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sorriso, Sinop, Diamantino e Primavera do Leste, continuam bloqueados.

Segundo a PRF, os trechos das rodovias devem ser liberados uma de cada vez após cumprir a medida judicial nesta sexta-feira (27).

Leia também:  Sanear libera rede de esgoto da Vila Goulart para uso dos moradores

Multas

Nesta quinta-feira (26), representantes da categoria se reuniram com a PRF, na superintendência da instituição, em Cuiabá. Na reunião, as lideranças foram alertadas quanto as consequências do não cumprimento da decisão judicial.

Os caminhoneiros que seguirem bloqueando as rodovias serão multados em R$ 1 mil por dia. Mas apesar da decisão judicial, muitos não pretendem parar com o protesto. É o caso, por exemplo, de Rondonópolis (MT).

RONDONÓPOLIS

Em Rondonópolis, a manifestação completa uma semana nesta sexta-feira (27). De acordo com o representante dos caminhoneiros, Maurício Galvão, apesar da decisão judicial e da liberação da BR-364, em Cuiabá, o trecho da rodovia em Rondonópolis seguirá bloqueado. O protesto que já ganhou a adesão dos professores do munícipio, agora conta também com o apoio de empresários e ‘moto-clubes’.

Leia também:  Quando o jogo vira doença

Na tarde de hoje, segundo informou Maurício Galvão, será feita uma carreata em protesto contra o alto custo do combustível, alíquota do ICMS e a baixa do preço frete  entre o Trevão na BR-364 e o posto da PRF em Rondonópolis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.