Promotoria de Justiça - Foto: Arquivo AGORA MT
Promotoria de Justiça – Foto: Arquivo AGORA MT

Quase um ano depois de o Ministério Público Estadual (MPE) abrir um inquérito civil para apurar um suposto desvio de cerca R$ 300 mil na Secretaria Municipal de Educação de Rondonópolis (Semed), os levantamentos feitos pela Promotoria local, asseguram que existem irregularidades no processo.

Na ocasião, materiais de consumo como borracha, caderno e pincel, adquiridos para atender as escolas municipais, foram pagos pelo Executivo, entretanto, nunca apareceram no almoxarifado do órgão. As compras foram feitas no segundo semestre de 2012.

Ao Site AGORA MT, o MPE afirmou que já foram feitas algumas inquirições que confirmaram que não houve o recebimento de parte dos materiais, apesar do pagamento, o que caracteriza o desvio.

Leia também:  Aeroporto de Rondonópolis deve ser entregue a concessão de iniciativa privada

A fraude nas compras de materiais já havia sido confirmada após uma sindicância feita por uma comissão formada pela própria Semed da atual administração e presidida pela procuradora Tânia Nanes, que analisou nove notas fiscais utilizadas para justificar a compra no valor de R$ 966 mil.

Marilda Rufino - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Quem comandava a pasta na época era Marilda Rufino (foto ao lado), que foi nomeada pelo ex-prefeito cassado José Carlos do Pátio (PMDB) e permaneceu no cargo na gestão do ex-prefeito Ananias Filho (PR).

Também na época da descoberta da suposta fraude, os membros da comissão que analisaram as notas fiscais, se recusaram a assinar a investigação. Apenas Tânia oficializou o documento.

Leia também:  Ecopontos viram lixões e moradores reclamam do descaso no Sagrada Família

“Todos do Conselho participaram, mas negaram atestar os levantamentos, alegando proximidade com a ex-secretária”, comentou Tânia Nanes.

Ainda de acordo com o MPE, o inquérito ainda está em andamento, já que existem mais algumas diligências que necessitam ser realizadas até a conclusão da investigação.

OUTRO LADO

Por telefone a ex-secretária Marilda Rufino não quis comentar o assunto. Ela afirmou que nunca foi notificada de nada. “Tudo que fiquei sabendo foi pela imprensa. Nunca fui procurada por nenhum órgão”, disse.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.