DivulgaçãoA relação entre vitamina D e a saúde dos ossos já é conhecida. Sem ela, apenas 15% do cálcio e 60% do fósforo (minerais essenciais para a formação do esqueleto), ingeridos por meio da dieta, seriam absorvidos pelo organismo, de acordo com o endocrinologista americano Michael Holick, especialista no assunto e autor do livro Vitamina D – Como Um Tratamento Tão Simples Pode Reverter Doenças Tão Importantes (Fundamento).

Mas esse está longe de ser o único benefício dessa vitamina que, na verdade, é um hormônio do grupo dos esteroides, produzido pela ação da radiação solar sobre a pele e obtido pela ingestão de determinados alimentos. “Existem receptores para essa substância em células do corpo todo, o que indica que ela participa de inúmeras funções do organismo”, explica o endocrinologista Francisco Bandeira, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco (UPE).

Leia também:  Café na dose certa para preservar a sua saúde

Uma dessas funções, descoberta mais recentemente, está relacionada à diminuição do acúmulo de gordura localizada e à perda de peso. Embora ainda não se saiba exatamente o porquê, pesquisas já associaram a deficiência de vitamina D com a resistência à insulina, o que prejudica o processamento do açúcar, aumenta o depósito de gordura abdominal e estimula a fome.

Um estudo da Universidade de Laval, no Canadá, sugere que equilibrar os níveis de vitamina D pode afinar a cintura porque ela ajuda a reduzir os índices de cortisol, hormônio que leva ao armazenamento de gordura no abdome. Outro estudo, dessa vez da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, comparou o emagrecimento de pessoas com índices normais de vitamina D ao de outras com níveis insuficientes, os dois grupos seguindo a mesma dieta de restrição calórica. Constatou que os integrantes do primeiro perderam mais peso. Segundo os cientistas, o motivo é que essa vitamina auxilia na regulação do apetite, já que aumenta a liberação de leptina, hormônio responsável por levar ao cérebro a informação de saciedade.

Leia também:  Pimentão para colorir a receita e turbinar a saúde

Em tempo: a melhor forma de descobrir como andam seus níveis de vitamina D é por meio do exame de sangue.

Garanta sua dose

Para manter bons índices de vitamina D no organismo, é preciso atuar em várias frentes ao mesmo tempo

Sol

Exponha-se pelo menos 20 minutos todos os dias nos horários menos nocivos – antes das 10 horas da manhã e depois das 17. Não use filtro solar, que impede até 70% da síntese da vitamina D. Por isso, não abuse: fique sob o sol no máximo uma hora.

Alimentação

Vegetais e fontes de proteína de origem animal (leite e derivados, ovos e peixes como salmão e atum) não podem faltar na dieta, pois o colesterol presente neles é matéria-prima para a produção da vitamina D.

Leia também:  No Dia da Gestante, conheça os exames obrigatórios no pré-natal

Suplementos

São bem-vindos, mas só sob orientação médica. “Exceder nos níveis de vitamina D pode causar intoxicação e levar à formação de cálculos renais”, alerta a endocrinologista Isabela Bussade, do Rio de Janeiro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.