A Seguradora Líder-DPVAT pagou, em 2014, mais de 760 mil indenizações do Seguro DPVAT a vítimas de acidentes de trânsito em todo o Brasil. São crianças, jovens, idosos, trabalhadores que sofrem com a violência das ruas e estradas do País. O número é 20% superior ao registrado em 2013, que foi de 633 mil indenizações.

No total, o valor pago atingiu R$ 3,90 bilhões. O levantamento do Seguro DPVAT aponta que 78% (595.693) das indenizações pagas correspondem à cobertura de invalidez permanente, 15% (115.446), de reembolso de despesas médicas e 7% (52.226), de morte. A comparação com 2013 revela que houve um aumento de 34% no número de indenizações pagas por invalidez permanente, um decréscimo de 14% nas indenizações por reembolso de despesas médicas e uma diminuição em 5% no número de mortes.

Leia também:  Enem terá prova personalizada e lanches serão fiscalizados para coibir fraudes

Segundo Ricardo Xavier, Diretor-Presidente da Seguradora Líder-DPVAT, as estatísticas mostram que a adoção de equipamentos e políticas de segurança, como uso do cinto, airbag, redução da velocidade nas vias e a Lei Seca já trazem resultados positivos, como a diminuição das mortes. No entanto, na categoria motocicleta ainda há um aumento de indenizações por invalidez permanente a cada ano. “As motocicletas substituíram a locomoção por animal nas áreas rurais do Brasil. Nas grandes cidades, tornaram-se o meio de transporte mais ágil para fugir dos engarrafamentos, mas, justamente, o motorista de moto é quem sofre uma incidência maior de lesões físicas. Uma pequena queda já pode causar uma invalidez permanente devido à alta exposição do corpo.

Leia também:  Homem solto após ejacular em mulher é preso novamente ao atacar outra passageira

A indenização do Seguro DPVAT ameniza o primeiro impacto dos custos financeiros, ajudando os herdeiros ou a própria vítima, em um momento doloroso que nenhuma família imagina que irá passar”, analisa Xavier.

Dos recursos arrecadados pelo Seguro DPVAT, 45% são destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS) para ajuda no custeio do tratamento de vítimas do trânsito. Em 2014, o valor destinado ao SUS foi de R$ 3,8 bilhões. Já em 2013, a quantia somou R$ 3,6 bilhões. Outros 5% da arrecadação são destinados ao Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) para custeio de campanhas de educação no trânsito. O restante é administrado pela Seguradora Líder-DPVAT para o pagamento das indenizações.

Leia também:  Casal é encontrado morto dentro de residência em Mato Grosso do Sul

Perfil das vítimas

Das 763 mil vítimas de trânsito, em 2014, 75% eram homens e 25%, mulheres. Os jovens continuam sendo a maior parcela dos acidentados: 24% das vítimas tinham entre 18 a 24 anos, 28%, de 25 a 34, 19%, de 35 a 44, 19%, 45 a 64, 4% mais de 65, 1% de 0 a 7 e 5% de 8 a 17. Das indenizações pagas por morte, 50% (25.889) foram destinadas a motoristas (sendo 16.356 motociclistas), 31% (16.252) pedestres e 19% (21.776) passageiros

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.