A estreia do brasileiro Felipe Nasr na Fórmula 1 está ameaçada. Na noite desta terça-feira (manhã de quarta-feira na Austrália), o tribunal do estado australiano de Victoria deu ganho de causa ao holandês Giedo van der Garde em processo contra a Sauber por uma vaga no grid de 2015 da Fórmula 1. Com a decisão, o piloto ganha o direito de assumir a vaga de um dos titulares da escuderia suíça – Nasr ou o sueco Marcus Ericsson – na corrida do próximo fim de semana, no circuito de Melbourne, que abre a temporada. A Sauber entrou com recurso, que deve ser julgado ainda nesta quarta-feira.

Por meio de nota oficial, a Sauber lamentou a decisão e disse que não seria seguro colocar um piloto que não testou o novo carro para disputar a corrida.

Leia também:  União aposta em Ricardo para bater o Cuiabá

– Estamos desapontados com esta decisão e agora precisa de tempo para entender o que isso significa e o impacto que isso terá sobre o início da nossa temporada. O que não podemos fazer é colocar em risco a segurança de nossa equipe, ou qualquer outro piloto na pista, por ter um piloto despreparado em um carro que foi adaptado para outros dois – afirmou a chefe da Sauber Monisha Kaltenborn no comunicado oficial.

Reserva da Sauber no ano passado, Giedo entrou na justiça contra a equipe afirmando que foi demitido sem justa causa. Segundo o piloto, os antigos chefes chegaram a fazer a oferta de uma vaga em junho de 2014, mas descumpriram o acordo posteriormente. No início de novembro, teria sido informado de que a dupla seria formada por Nasr e Ericsson. O brasileiro assinou um contrato de duas temporadas e levou patrocinadores nacionais para a equipe. Ericsson foi contratado para esta temporada e também levou aporte financeiro.

Leia também:  Antigo Luthero vira cult e ganha lembrança especial do torcedor

O piloto holandês já havia conseguido na justiça suíça uma decisão que proibia a Sauber de negar sua vaga para a temporada 2015. Ele acionou então o tribunal de Victoria, que resolveu aplicar a decisão em sua jurisdição.

Na primeira audiência do caso na corte australiana, realizada na última segunda-feira, o advogado da Sauber defendeu que seria imprudente entregar o carro ao holandês, já que ele nunca pilotou o modelo 2015 e correria sérios riscos se o guiasse pela primeira vez em plena etapa do campeonato.

O argumento foi rebatido pela defesa de Giedo, que destacou outros casos na F-1 em que equipes escalaram pilotos em cima da hora, sem conhecimento prévio do carro. Desta forma, seu cliente estaria apto para pilotar na corrida deste fim de semana.

Leia também:  Copa de 94 volta à tona com histórias de Romário e loira de Rondonópolis

Após a vitória no tribunal, Giedo afirmou que está preparado fisicamente para pilotar e que espera já conduzir um dos carros da Sauber nos treinos da próxima sexta-feira.

– Estou mais forte que nunca. Venho treinando nos últimos três meses e estou ansioso para voltar à equipe e fazer o melhor neste fim de semana. Eu tinha um relacionamento muito bom com a equipe e continuo tendo – disse o holandês.

Além de reserva da Sauber em 2014, Giedo van der Garde, de 29 anos, foi piloto titular da equipe Caterham em 2013, quando terminou a temporada sem marcar pontos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.